Notícias do setor farmacêutico

Banco Central reduz Selic a 5% e renova mínima histórica

324

O Banco Central (BC) anunciou ontem um novo corte na taxa básica de juros. Em decisão unânime do Comitê de Política Monetária (Copom), a Selic caiu de 5,5% para 5% ao ano.

Desde dezembro de 2017, os juros vêm renovando as mínimas históricas. Ou seja, a Selic está novamente no menor patamar desde que passou a ser utilizada como instrumento de política monetária, em 1999. Esse foi o terceiro corte anunciado na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/10/14/o-que-vai-gerar-crescimento-sao-mais-investimentos-diz-ricardo-amorim/

O resultado da reunião confirmou a expectativa de todos os analistas consultados pela agência Bloomberg, que era um corte de 0,5 ponto percentual nos juros, conforme já vinha sendo indicado pelo BC desde o último encontro do Copom, em setembro.

O ciclo atual de corte de juros começou em julho, quando a taxa estava em 6,50% ao ano, logo após a aprovação da reforma da Previdência na Câmara.

A expectativa dos analistas é de outra redução dos juros, para 4,5% ao ano, na reunião do Copom marcada para os dias 10 e 11 de dezembro. Algumas instituições projetam que a Selic possa chegar a 4% no início de 2020.

A nova rodada de cortes da taxa básica se dá em um contexto de fraco de crescimento da economia, inflação abaixo da meta, desemprego elevado e queda de juros em países desenvolvidos e emergentes.

Fed – O ciclo de corte de juros é uma tendência mundial frente ao cenário de desaceleração da economia global. Ontem, o Fed, banco central americano, cortou a taxa básica de juros dos Estados Unidos em 0,25 ponto percentual. A redução veio em linha com a expectativa do mercado e deixou o juro do país na faixa de 1,5% e 1,75% ao ano. Este é o terceiro corte seguido na taxa.

No Brasil, o BC tem condicionado os cortes à continuidade da agenda de reformas, o que tem contribuído para a queda do risco país e evitado uma alta mais elevada do dólar. A cotação da moeda perdeu força e voltou a fechar abaixo de R$ 4 ontem.

A depreciação recente do real em relação à moeda norte-americana é um dos riscos para a política monetária. Em seus comunicados, o BC tem indicado que a alta do dólar para um patamar de até R$ 4,10 não impede que a inflação fique abaixo da meta neste ano e no próximo.

Apesar dos cortes na Selic, o desempenho da economia segue errático e mesmo com a redução dos juros no segmento imobiliário outras linhas de crédito continuam com taxas elevadas.

A Selic chegou a 7,25% em 2012, no governo Dilma Rousseff, mas voltou a subir durante a gestão da petista. No governo Michel Temer, os juros atingiram a mínima de 6,50% ano.

Setores – Em nota enviada à imprensa, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, considerou a decisão pelo novo corte adequada, mas chamou a atenção para a importância da continuidade da agenda reformista por parte do governo federal e da flexibilização monetária.

“O ambiente externo é marcado por taxa de juros e inflação muito baixas nas principais economias, favorecendo o fluxo de capitais para economias emergentes, como o Brasil.  A continuidade da flexibilização monetária é esperada pela indústria para fortalecer o processo de recuperação das economias brasileira e mineira, para viabilizar investimentos e para gerar emprego e renda”, destacou.

Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), Aguinaldo Diniz Filho, o anúncio do comitê indica um ambiente macroeconômico em nível confortável e visa a estimular a economia.

“A manutenção dos estímulos monetários objetiva impulsionar o consumo, os investimentos e a geração de emprego. Hoje, a economia brasileira está estagnada e o mercado de trabalho cresce timidamente. Além disso, as instituições financeiras estão repassando morosamente as reduções da Selic para os clientes”, ponderou Aguinaldo Diniz Filho.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Marcelo de Souza e Silva, avalia a terceira redução seguida como positiva e acredita no seu potencial para incentivar o mercado.

“Para os setores de comércio e serviços, a queda dos juros é imprescindível para melhorar as condições de acesso ao crédito para consumidores e lojistas e, com isso, estimular as vendas. Pois, mesmo com o cenário econômico melhor quando comparado aos últimos anos, com os principais indicadores macroeconômicos apresentando melhora, o ritmo de crescimento da atividade econômica continua lento e longe do ideal para uma retomada efetiva da economia”, afirmou. (Com informações da Folhapress)

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Diário do Comércio

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.