Notícias do setor farmacêutico

Goiânia é a 2ª capital do Centro-Oeste com mais casos de intoxicação por medicamentos

409

Saber interpretar as informações nas embalagens dos produtos é essencial para evitar acidentes; entenda o que significa cada elemento na caixa do medicamento

 

Todos os dias, Goiânia registra ao menos quatro casos de intoxicação por uso incorreto de medicamentos. É o que revela a média anual das informações sintetizadas no Sinitox (Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas). Os dados mais recentes, que são de 2013, mostram que naquele ano a capital contabilizou 1.629 casos do tipo. No Centro-Oeste, só Brasília (1.914 ocorrências) supera Goiânia em número de intoxicações por medicamentos.

 

O Ministério da Saúde diz que, considerando os medicamentos do tipo benzodiazepínicos, antigripais, antidepressivos e anti-inflamatórios (que mais causam intoxicações no Brasil), 40% das pessoas que se intoxicam com essas drogas fazem isso por acidente. E grande parte desses casos acontece porque os usuários não sabem interpretar as informações nas embalagens dos produtos.

 

“Cada um dos elementos visuais que compõem a embalagem do medicamento presta informações vitais ao usuário. Por isso, é importante que o consumidor dedique alguns minutos para entender o que ele está ingerindo, para qual finalidade, a dosagem indicada conforme seu perfil e possíveis substâncias prejudiciais ao seu organismo. E é preciso, claro, respeitar o que havia sido prescrito pelo médico, se for esse o caso”, indica o presidente do Sincofarma-GO (Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Goiás), João Aguiar Neto, que é farmacêutico.

 

Entenda o significado das informações nas embalagens dos medicamentos.

 

Nome – Indica o nome comercial do medicamento (se for produto de marca) ou medicamento genérico (se for esse o caso), apontando o nome da substância principal. Nos fitoterápicos, o que deve aparecer é o nome botânico da planta. O nome também precisa deve estar impresso em braille.

 

Identificação do fabricante – Cita o nome, endereço, CNPJ do fabricante e o local de fabricação do produto. Esses dados permitem procurar a empresa em caso de dúvidas ou problemas.

 

Dados individuais – Número do lote – para melhor controle em caso de lotes defeituosos ou contaminações – data de fabricação e data de validade. Os medicamentos jamais devem ser usados se estiverem vencidos.

 

Número de registro – É o registro do medicamento na Anvisa. São 13 dígitos.

 

Informações farmacêuticas – Deve informar claramente a composição do medicamento, a quantidade e a via de administração indicada. Essas informações mais detalhadas constam na bula do medicamento, que deve ser lida com atenção antes do uso.

 

Nome do farmacêutico responsável – Todo medicamento precisa ter um farmacêutico responsável, e na embalagem deve aparecer o número de inscrição do profissional no Conselho Regional de Farmácia.

 

Telefone do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) – É fundamental ter o telefone do SAC na embalagem, para que o consumidor tire dúvidas, opine, reclame ou sugira de forma fácil e simples.

 

Tarja do medicamento – Os medicamentos são classificados conforme o grau de risco que podem oferecer à saúde, e essa classificação se dá através de tarjas identificáveis logo à primeira vista nas embalagens. As tarjas seguem esse padrão: vermelha, para medicamentos com contraindicações e que podem provocar efeitos colaterais graves; ou preta, para medicamentos com ação sedativa ou que ativam o sistema nervoso central, podendo causar dependência. A tarja amarela indica medicamentos genéricos e há aqueles sem tarja, conhecidos como MIPs (Medicamentos Isentos de Prescrição), que, se usados corretamente, têm poucos efeitos colaterais ou contraindicações.

 

Lacre de Segurança – A embalagem precisa estar lacrada. Se houver alguma violação, não adquira o medicamento e informe ao farmacêutico.

 

Tinta reativa ou selo de rastreabilidade – Ao raspar a tinta com metal, a embalagem precisa mostrar o selo de qualidade e o laboratório responsável.

Fonte: SEGS

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })