Notícias do setor farmacêutico

Pílula anti-nicotina fará fumante se sentir nojento

Cientistas da Universidade de Toronto têm uma boa notícia para quem quer largar o cigarro de vez. Segundo eles, o cérebro de um fumante passa por mudanças químicas que transformam o cheiro e o sabor da fumaça do cigarro em algo agradável. Um novo medicamento, ainda em fase de testes em animais, pretende reverter esse quadro, transformando o cigarro em algo extremamente desagradável e repugnante para quem ainda insiste no vício.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

De acordo com os pesquisadores, quando alguém se torna viciado em nicotina, os mesmos neurônios que dizem ao cérebro para ficar longe dos cigarros também o aconselham a continuar fumando, para evitar a dor da abstinência. Em dado momento, a recompensa por evitar a retirada supera a aversão aos cigarros, dificultando o combate aos efeitos da dopamina e incentivando as pessoas a fumarem mais.

Isso acontece porque a nicotina inunda o cérebro com substâncias químicas “boas”, como as endorfinas, que são liberadas quando praticamos exercícios e que aumentam a sensação de euforia e prazer. Ao mesmo tempo, a nicotina também imita a forma e a atividade da acetilcolina, um neurotransmissor envolvido no prazer, bem como no aprendizado e em várias formas de dependência.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/11/05/novos-remedios-mais-baratos-para-tratar-10-doencas/

A ideia, então, é “desligar” os neurônios que fazem o cigarro parecer agradável, deixando ativos apenas os neurotransmissores que sinalizam a repulsa ou aversão. O mecanismo é semelhante ao de remédios utilizados atualmente para tratar ansiedade ou alcoolismo. (Com informações do portal Daily Mail)

Fonte: Metrópoles

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação