Notícias do setor farmacêutico

Secretário do Ministério da Saúde defende choque de gestão para financiar terapias

221

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, disse que para possibilitar a cobertura das novas terapias avançadas o Brasil precisa de um “choque de gestão”. A declaração foi feita durante o “Fórum de Terapias Gênicas/Avançadas: Geração de Valor na Jornada do Paciente do Sistema de Saúde”, realizado pelo Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em Brasília.

“Se não mudarmos o modelo de financiamento existente hoje, não vamos conseguir financiar as terapias inovadoras”, disse o secretário. Tratamentos de doenças raras e ultrarraras vem sendo revolucionados por terapias gênicas e celulares, que são possíveis atualmente graças aos avanços da genética e da biotecnologia.

Com isso, novas perspectivas de cura são abertas para pacientes e médicos. Entretanto, os custos dos tratamentos ainda são elevados, o que abre também a necessidade de um debate aprofundado sobre as formas de avaliar, financiar e incorporar essas terapias aos sistemas de saúde público e privado no Brasil.

Outras lideranças do setor também compartilham a opinião do secretário. Para William Dib, presidente da Anvisa, é necessário assegurar o acesso a esses novos tratamentos. “É preciso encontrar um termo de ajuste em que todos saiam ganhando, para a população poder obter esse tratamento com segurança e qualidade”, disse, referindo-se à precificação das terapias.

Nelson Mussolini, presidente executivo do Sindusfarma, afirmou que a terapia gênica é um passo para o futuro, mas reconheceu que torná-la acessível não é uma questão fácil e exigirá muito debate. “Precisamos definir como os governos vão tratar dessa nova forma de salvar vidas, de recuperar pessoas e trazê-las para o ambiente produtivo”, afirmou. “Digo sempre que medicamento é investimento, não pode ser olhado pelo Estado como despesa; é muito melhor ter pessoas produtivas do que em hospitais”.

O presidente da Ultragenyx, Edson Paixão, concorda com o executivo. Para ele, a terapia gênica é o futuro da medicina, mas que já está bem presente. “Já existem alguns medicamentos que utilizam essa tecnologia e muitos outros com pesquisas avançadas. Neste cenário, o papel da indústria não é somente desenvolver novas soluções terapêuticas, mas também buscar formas sustentáveis de promover o acesso à essas inovações”.

Uma das companhias que se destaca nesse cenário de inovação, é a Ultragenyx – uma startup biofarmacêutica. Fundada há menos de 10 anos, é comprometida em levar aos pacientes novos produtos para o tratamento de doenças raras e ultrarraras, com foco nas genéticas graves e debilitantes.

A empresa rapidamente construiu um portfólio diversificado de terapias aprovadas e candidatos a produtos destinados a tratar enfermidades com alta necessidade médica não atendida, ou seja, às que não dispõem de terapias aprovadas. “Não é um desafio simples nem fácil, mas se temos a capacidade de mudar a vida das pessoas, por meio de tecnologias tão complexas como a gênica, precisamos também mudar nosso olhar para esse tema tão relevante para quem realmente se beneficia de todo esse longo e complexo processo: os pacientes”.

Participaram do fórum gestores públicos, médicos, pesquisadores nacionais e internacionais, parlamentares e lideranças em saúde, que compartilharam suas experiências e discutiram os diversos aspectos relativos ao tema, como regulação, pesquisa clínica, diagnóstico, financiamento e sustentabilidade.

Fonte: GR News

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.