Notícias do setor farmacêutico

Por que a Amazon investe mais em pesquisa do que outras gigantes

  • O valor de mercado da Amazon é de US$ 900 bilhões;
  • A rede de varejo online tem como prioridade a satisfação dos clientes;
  • Os gastos da companhia de Jeff Bezos são maiores do que o das gigantes Microsoft, Alphabet, Intel e Apple.

Amazon e festas de fim de ano poderiam ser um sinônimo. Com mais de 100 milhões de assinantes Prime desfrutando de frete grátis por um dia, cada movimento da gigante do comércio eletrônico atrai muita atenção da mídia.

Mas mesmo sendo o maior varejista do mundo, com um valor de mercado em torno de US$ 900 bilhões, a empresa de Jeff Bezos ainda é pequena no mercado global de varejo, contabilizando menos da metade da receita do Walmart. Com faturamento de US$ 232 bilhões no ano fiscal encerrado em 2018, a Amazon representava menos de 1% do mercado global de varejo de US$ 24 trilhões e menos de 10% do mercado global de comércio eletrônico de US$ 2,9 trilhões.

O poder da Amazon está no compromisso de ser uma empresa de IA que investe mais em pesquisa e desenvolvimento do que qualquer outra empresa de capital aberto no S&P 500. Desde a aquisição da Kiva Systems em 2012, a Amazon gastou mais de US$ 100 bilhões em P&D em comparação à Microsoft (US$ 90 bilhões), Alphabet (US$ 87 bilhões), Intel (US$ 84 bilhões) e Apple (US$ 71 bilhões).

A Amazon agora possui mais de 200 mil robôs de embalagem e transporte, os Kiva. Depois de cumprirem a promessa de entrega de drones em 30 minutos com a Prime Air, eles podem muito bem se tornar a maneira mais barata, rápida e ecológica para os consumidores obterem seus produtos.

Conversei com o ex-executivo da Amazon Vince Martinelli, que trabalhou na Kiva com o fundador Mick Mountz. Os dois eram colegas de classe do MIT e, desde então, desfrutam de uma amizade de 35 anos. Atualmente, eles trabalham juntos em robôs que selecionam peças na RightHand Robotics, onde Mountz atua no conselho e Martinelli lidera produtos e marketing. Fundada em 2014 pelos roboticistas de Harvard, Yaro Tenzer, Lael Odhner e Leif Jentoft, a startup de Cambridge, Massachusetts arrecadou um total de US$ 34,3 milhões com a rodada da Série B do ano passado liderada por Menlo Ventures Mark Siegel.

Forbes: Como o Kiva resolveu o problema da Amazon?

Vince Martinelli: Antes da Kiva, Mick Mountz chefiou a logística de processos de negócios da loja online Webvan. Como falhas em logística, ele teve a missão de redesenhar os armazéns para reduzir os custos de remessa de uma sacola de compras. Tendo trabalhado anteriormente na engenharia da Apple, ele pensou um pouco na automação e construiu uma máquina de processamento massivamente paralela, cujo software poderia despachar robôs para buscar vagens de prateleiras de produtos e movê-las para as estações de trabalho centrais para embalagem. A capacidade de reunir os produtos e resolver os pedidos acabou sendo uma enorme vantagem sobre outros sistemas. Eliminou etapas e zonas inteiras no armazém. O processador paralelo era realmente uma ideia bastante poderosa. Quando a Amazon adquiriu o Kiva, tudo o que precisava fazer era conectá-lo ao processador Kiva na placa-mãe para adicionar remessa ao sistema.

F: Como os robôs funcionam?

VM: Os itens das sacolas são agarrados pelo coletor e enviados em um transportador para uma estação de embalagem. O sistema de preensão possui dedos que se ajustam ao redor do item e pode pegar itens que pesam cerca de dois quilos, até o tamanho de um batom, que é um bom ajuste para a maioria dos produtos em movimento rápido que vendem bem online. O sistema de visão computacional ajuda o seletor a distinguir os itens. Se não houver variedade de produtos, os robôs não podem ser treinados. O ensino é importante para que não hajam falhas na logística de transporte.

F: Quem são os concorrentes?

VM: A Kindred vende um sistema de coleta integrado como o nosso e tem como foco o vestuário. A IAM Robotics está focada em produtos farmacêuticos e a Soft Robotics está em embalagens de alimentos. É um mercado jovem, mas temos uma boa liderança. Nosso entregador pode se integrar a uma ampla variedade de sistemas de terceiros. Funciona na parte de trás de um supermercado quanto em um grande armazém. Usamos os dados para criar uma plataforma de separação inteligente, com automação escalável flexível que funciona com uma variedade de ambientes de software e permite capacidade de realização previsível.

F: A quais shows do setor você participa?

VM: Em janeiro, estaremos na NRF na área de inovação e provavelmente em pelo menos um estande de parceiros. É um ótimo programa verificar a frente da loja, o ponto de venda e a logística da cadeia de suprimentos. Em março, estaremos em um programa de manuseio de materiais chamado Modex em Atlanta e em um programa de design de atendimento chamado Logimat na Europa.

F: Quando vamos ver drones ou robôs de entrega na calçada entregando pacotes à nossa porta?

VM: Pode levar mais tempo do que as pessoas esperam, porque há considerações de segurança e responsabilidade, como se um produto não chegasse ao seu ponto final. Amigos do MIT trabalhavam em Segway e, apesar de poderem andar com segurança nas calçadas públicas, foram proibidos em muitos lugares. Scooters também. Esse é o risco que os robôs de entrega na calçada enfrentam.

Esses robôs podem evitar acidentes de trabalho, assumindo tarefas fisicamente exigentes, mas, ao fazer isso, não significa que eles estão aceitando trabalhos de humanos?

A Amazon emprega mais de 650 mil pessoas e Jeff Bezos começou como um cara só, portanto, essa é uma boa taxa de crescimento em 25 anos. Ele obviamente está contratando, e os robôs estão ajudando a ganhar no mercado. Eles literalmente não conseguem encontrar pessoas suficientes a uma distância de carro. Os robôs ajudam significativamente na falta de mão-de-obra.

F: Um dia os armazéns serão totalmente automatizados em locais remotos sem a necessidade de humanos no local?

VM: Para o varejo, existe uma equação: se a instalação estiver muito longe, haverá custos de transporte. Além disso, a automação de hoje ainda exige que as pessoas operem máquinas, gerenciem atualizações de software e forneçam manutenção preventiva. Teleoperação não é um ótimo substituto para essas tarefas.

F: Você sente que a morte do varejo é muito exagerada?

VM: As pessoas ainda gostam de ir a lojas, mas são necessários novos modelos. Talvez elas evoluam evoluam para se parecer mais com showrooms, onde as pessoas podem experimentar uma grande variedade de produtos e pedir o que quiserem em quiosques. Dessa forma, os varejistas podem gerenciar com mais precisão o estoque e as compras serão mais uma experiência de entretenimento.

F: Como você aconselharia os varejistas que tentam navegar pelo efeito Amazon? Adaptar-se ou morrer?

VM: Se você é uma empresa que move muitos produtos e não pensa nisso, seus concorrentes são e você ficará para trás. Os varejistas precisam incorporar a automação em seus planos estratégicos antecipadamente.

F: Na guerra do varejo, deve haver uma aliança para governar?

VM: A história mostrou que quem pode descobrir o modelo e escalá-lo rapidamente pode possuir um mercado por um longo tempo. À medida que as vendas online se movimentam, há grandes problemas de logística que precisam ser resolvidos.

Grande parte do varejo físico ainda se baseia no modelo de autoatendimento que a cadeia de supermercados Piggly Wiggly instituiu há mais de 100 anos. Nesse modelo, os funcionários trabalham em um cadastro e os clientes escolhem produtos e os transportam para casa gratuitamente.

No modelo direto da Amazon, a coleta e o envio são revertidos para o varejista. Eles não podem cobrar o dobro pelo produto, portanto precisam descobrir como levar os itens para as pessoas de maneira econômica, rápida e nas condições adequadas.

No momento, existem muitas peças diferentes que se juntam a robôs em todo o espectro. Todo mundo está tentando descobrir o que fazer a seguir.

Se a Amazon não vencer este mercado, não será por falta de tentativa. Eles são um player formidável. Eles também acabaram de anunciar um novo e inovador Amazon Robotics Innovation Hub, de US$ 40 milhões, que está sendo construído em Massachusetts e adicionará 200 novos empregos em tecnologia. Até o momento, a Amazon investiu mais de US$ 3 bilhões e criou mais de 4.000 empregos em tecnologia em Massachusetts. No ano passado, eles compraram uma farmácia de serviço completo, a PillPack. Não sei ao certo quais são seus planos, mas certamente estão se movendo rapidamente em várias direções.

Os produtores da linha de frente nos visitaram no ano passado para fazer uma história sobre quem será o país dominante em inteligência artificial e robótica: China ou EUA. Fiquei impressionado com a escala das operações da Alibaba. A China tem muito dinheiro e escala, por isso, pode não ser uma conclusão precipitada de que os EUA serão os vencedores.

F: Quais são as perspectivas para 2020?

VM: O próximo ano é realmente crucial. Alguns de meus ex-colegas da Kiva estão na 6 River Systems, que foi comprada pelo Shopify para criar um mercado de comércio eletrônico automatizado. Eles estão integrando o robô Chuck da Soft Robotics Superpick. O Walmart está trabalhando com a Alert Innovation na construção de um Novastore totalmente automatizado em New Hampshire, seguindo seu piloto com os robôs de colheita, Alphabot. Kroger está trabalhando com a Ocado em um armazém automatizado para compras. Fabric (fka Commonsense Robotics) está oferecendo micro-atendimento para automadores escaláveis, e a Takeoff Technologies está descobrindo o modelo de clicar e coletar para os mercearias testarem. Há uma grande quantidade de tecnologia no momento, acho que veremos vários anúncios interessantes ao longo do próximo ano.

Fonte: UOL

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/12/04/black-friday-e-cyber-monday-movimentam-r-596-bilhoes-no-e-commerce/

Siga nosso Instagram

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação