Notícias do setor farmacêutico

Webinar discute como melhorar gestão das salas clínicas

811

Webinar discute como melhorar gestão das salas clínicas

As farmácias estão mudando o conceito da loja física, por meio do qual ela deixa de ser uma simples dispensadora de medicamentos para se tornar um ambiente que oferece serviços e experiência ao cliente. De acordo com levantamento da Abrafarma, suas redes associadas já concentram mais de 3 mil farmácias com salas e consultórios de assistência farmacêutica, um crescimento exponencial nos últimos dois anos.

Adotar as melhores práticas, estabelecer prioridades e treinar a equipe corretamente são fatores-chave para alcançar melhores resultados e continuamente melhorar os serviços para a população. Esses foram os temas debatidos na webinar realizado pela  consultoria Inteligência360, que reuniu um time de especialistas no dia 9 de dezembro, sob moderação de Olegário Araújo, da FGV.

Para Cassyano Correr, coordenador do programa de assistência farmacêutica avançada da Abrafarma, a criação das salas clínicas começou  pelo farmacêutico, mas logo se converteu em  um projeto de cocriação que envolve grandes redes, pequenas farmácias, entidades, fornecedores de produtos e serviços, empresas da cadeia do frio e de equipamentos de pont-of-care testing (testes rápidos), conselhos de classe e indústria farmacêutica, que entenderam ser esse um processo inevitável.

“Os serviços têm um custo de manutenção e se a farmácia não enxergar o negócio por inteiro, ele não vai rentabilizar. É preciso pensar no mix dos serviços a ser ofertado, na precificação, no gerenciamento de forma profissional e alinhado ao plano estratégico da empresa”, ressalta Correr.

Para Pedro Dias, farmacêutico especialista em treinamento e desenvolvimento de pessoas, também é imprescindível estabelecer e definir qual o papel do gerente da loja e do farmacêutico. “Se o farmacêutico for o gerente daquela unidade e também tiver um perfil clínico e de gestor, os serviços vão deslanchar. Mas caso sejam pessoas diferentes, é necessário um bom entrosamento da dupla”, afirma Dias.

Fernando Ferreira, CEO da Syntropy, abordou a importância do estabelecimento de objetivos e prioridades para a implantação de salas clínicas. De acordo com ele, uma boa alternativa pode ser o emprego do método OKR (Objectives and Key Results) – ou seja, objetivos e resultados-chave. Para isso, o gestor deve estruturar uma meta e medir os impactos em um período de 45 dias. “À medida que o cliente passa a atuar em novos canais de venda, quando há uma queda na movimentação, o gestor não consegue identificar sua origem. O  OKR mede essa mudança de maneira mais rápida, permitindo os ajustes necessários”, finaliza.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

 

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })