Notícias do setor farmacêutico

INSS cancelou 261 mil benefícios no país desde janeiro

240

O pente-fino do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) cancelou ou suspendeu 261 mil benefícios em todo país desde janeiro, quando foi editada a MP (Medida Provisória) 871, até o final de novembro. A economia mensal estimada pelo órgão com o não pagamento desses benefícios é de R$ 336 milhões. Em um ano, a soma pode chegar a R$ 4,3 bilhões.

A fraude mais comum encontrada pelo INSS foi o recebimento indevido de benefícios assistenciais por servidores públicos. De acordo com o INSS, em 92,5% dos casos desse tipo com suspeita de irregularidade houve a constatação efetiva da fraude.

Nesse rol, destaca-se o recebimento indevido do BPC (Benefício de Prestação Continuada), uma assistência paga a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. Servidores fizeram uso de documentos e declarações falsas para receberem o benefício.

BPC pago a servidora com renda de R$ 15,8 mil

Em um dos casos mais emblemáticos, o INSS descobriu uma pensionista do estado do Rio de Janeiro com renda mensal de R$ 15,8 mil que, conforme as apurações, recebia desde 2012 o BPC utilizando declarações falsas que omitiam sua renda. Essa fraude causou um prejuízo ao INSS na ordem de R$ 86 mil.

Também no Rio de Janeiro, foi identificado o caso de outro servidor estadual com renda mensal de R$ 14 mil que também recebia, desde 1999, o benefício assistencial.

Cerca de 6.300 servidores estaduais e municipais foram identificados, até agora praticando essa fraude. Essas irregularidades foram descobertas a partir do cruzamento de informações do INSS com a base de apenas seis estados e do Distrito Federal. O INSS já iniciou o cruzamento de dados com todos os demais estados.

Outras fraudes

Além do recebimento irregular de benefício por servidor, outra fraude comum foi o pagamento de benefícios a pessoas falecidas ou cuja renda familiar supera o limite legal.

Em 2019, do total dos benefícios cancelados e suspensos pelo pente-fino, 59% eram recebidos irregularmente pelos representantes legais de beneficiário falecido, o chamado pagamento pós-óbito. Em todos os casos, pessoas próximas do falecido continuavam a sacar a aposentadoria de forma irregular.

Também foram encontradas fraudes na realização de prova de vida e a sonegação de informações dos familiares e pessoas próximas sobre a morte do titular.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas. Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Fonte: UOL

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/12/04/ipc-fipe-sobe-068-em-novembro-e-acumula-inflacao-de-343-em-2019/

Siga nosso Instagram

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })