Notícias do setor farmacêutico

Afinal, o que é criptografia e para que ela serve?

312

A cada conversa iniciada no WhatsApp, o aplicativo avisa: “as mensagens e chamadas desta conversa estão protegidas com criptografia de ponta a ponta”. Mas o que é essa tal de criptografia? E faz alguma diferença ela ser de “ponta a ponta”?

Pode parecer coisa de filme a ideia de que todas as suas conversas precisam ser feitas “em código”, transformando o texto que você envia em algo incompreensível para a leitura humana.

Mas a criptografia faz exatamente isso: ela embaralha todo o conteúdo que você envia usando uma fórmula (o “algoritmo”) e uma chave secreta.

Criptografar a comunicação na internet é indispensável. Enquanto as antigas redes de telefonia e até as entregas de correspondência sempre foram controladas por poucos, a internet cresceu graças à facilidade com que novos provedores e redes podiam se integrar a ela.

Ou seja, a internet é um lugar onde estamos sempre “falando com estranhos”. E, como não sabemos exatamente quem pode estar no meio de uma conexão, usamos a criptografia para dispensar a necessidade de confiança total na rede.

Além da internet, a criptografia também é uma excelente ferramenta para controle de identidade. É ela que torna possível o e-CPF e o e-CNPJ, validando as assinaturas eletrônicas dos certificados digitais. Também é provável que seu celular esteja protegendo todos os seus dados e aplicativos com criptografia, vinculando uma chave ao desbloqueio da tela.

Por que conversar ‘em código’ na internet?

Embora a criptografia tenha sido usada desde o início em algumas atividades da internet (serviços financeiros e compras, por exemplo), a ação de hackers tem justificado o uso dela em cada vez mais serviços. Brasileiros passam 90% do tempo de navegação em sites com criptografia, segundo dados do Google.

O motivo é fácil de entender: ela resolve 3 problemas ao mesmo tempo. São eles:

1.Identificar as partes da comunicação. Um impostor não pode se passar por outra entidade em uma comunicação criptografada sem roubar a chave criptográfica, o “segredo” que alimenta a fórmula criptográfica para embaralhar o conteúdo.

Quando um site usa criptografia, isso diz ao seu navegador que ele está conectado ao site verdadeiro que reside no endereço acessado.

A mesma situação ocorre no WhatsApp, quando ele avisa que o “código de segurança” de um contato mudou: pode ser que seu amigo tenha trocado de telefone ou reinstalado o app, mas pode ser que a conta do WhatsApp dele tenha sido roubada.

Como o criminoso não tem a chave original, ele é obrigado a cadastrar uma chave nova, alertando todos os contatos sobre esse acontecimento.

2.Impedir “grampos” e espionagem. Como os dados trafegam “em código”, um invasor não consegue ver o conteúdo da transmissão, mesmo que controle o canal por onde ela passa.

3.Detectar adulterações e mensagens corrompidas. A comunicação criptografada, quando sofre alterações, não será mais decifrada de forma limpa e correta. Isso permite detectar conexões que tenham sofrido interferência, seja ela intencional (por causa de um ataque) ou acidental (erros de rede).

Fonte: O Globo

Veja também: Google perto de atingir valor de US$ 1 trilhão

Siga nosso Instagram

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.