Notícias do setor farmacêutico

LGPD deve ajudar as empresas na segurança digital

127

LGPD

Os ataques de hackers são cada vez mais sofisticados e comuns no mercado corporativo e até mesmo no cenário político, principalmente no que envolve sequestros de informações. Com o objetivo de aumentar a resiliência do Brasil no que diz respeito à segurança cibernética, nesta semana, o governo publicou o decreto E-Ciber, que estabelece uma série de orientações.

Outra medida que deve ajudar as organizações na segurança de suas informações é a Lei Geral de Proteção de Dados, que deve entrar em vigor nesse ano. “Por conta da LGPD, as empresas serão obrigadas a demonstrar para autoridade nacional de proteção de dados que ela tem um nível de segurança adequado, para garantir que ela trata das informações pessoais de forma segura”, afirma João Rezende, gerente de consultoria da Mazars.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/01/29/empresas-e-governos-seguem-com-cerco-ao-coronavirus/

O executivo ainda complementa que devido à LGPD, as empresas vão precisar investir na segurança em três linhas principais de defesa: nos processos, que é toda a estruturação da governa de tecnologia da informação; nas ferramentas específicas para o monitoramento de vulnerabilidade de ataques cibernéticos e na conscientização de todos os colaboradores, com orientações de boas práticas para identificar quais links podem ser acessados, como fazer o bom uso das contas e senhas.

“A maioria das empresas, mesmo de grande porte, ainda se limita a ter uma estrutura de tecnologia para atender o dia a dia, voltada apenas para a operação. Não tem uma equipe especializada e dedicada para a segurança da informação”, diz Rezende. Existem várias modalidades de ataques cibernéticos, os mais comuns são os vírus, os quais são implantados com dispositivos como USB, acessados por links ou por transferência de arquivos.

Apesar de ser considerado mais fácil de controlar através dos antivírus, há um limite, uma vez que só é possível identificar os conhecidos.
“Quando surge um novo vírus no mercado, a empresa está sujeita ao risco. Por isso é tão importante conscientizar a equipe para que não abra nenhum arquivo suspeito”, afirma Rezende. Os worms são propagações maliciosas, que através de programas, se autorreplicam e espalham pelas redes dos computadores, causando danos e mau funcionamento.

Por sua vez, os malwares crescem tão rápido quanto a tecnologia. Um levantamento realizado pela SonicWall revelou que as variantes de malwares cresceram 145% em 2019. Foram identificados 153 mil casos novos. Uma variante comum do malware é o ransomware, tipo de ameaça usada para sequestro de informações.

“O crime digital é organizado e passou a ser um mercado com diferentes propósitos. Quando surgem novas ameaças, as empresas criam as vacinas necessárias e só conseguem criar a proteção quando conhecem o ataque. Para isso, cada vez mais cresce a procura de profissionais capacitados e com habilidades de hackers”, finaliza Rezende (Fonte: Mazars).

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Empresas & Negócios

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })