Notícias do setor farmacêutico

Farmacêuticas estão usando IA para enfrentar o coronavírus

Comunidade médica corre para desenvolver remédios capazes de deter a doença

 

Enquanto o coronavírus avança, farmacêuticas correm em busca de uma solução contra o vírus que já infectou mais de dezenas de milhares mil pessoas. Para acelerar a pesquisa e obter resultados mais velozes, empresas apelam para a inteligência artificial.

Na China, cientistas conseguiram sequenciar o genoma do coronavírus, o que abriu as portas para que companhias possam trabalhar em possíveis vacinas e tratamentos contra a doença. Com IA, essas empresas conseguem investigar moléculas com potencial uso em remédios.

Uma dessas empresas foi a Benevolent AI, que tem corrido para o desenvolvimento de um remédio similar ao usado para o tratamento de artrite reumatoide. Segundo a companhia, a droga tem potencial de tratar a infecção e a inflamação, o que reduziria a rápida progressão do vírus.
Outra empresa, chamada Insilico Medicine, usa inteligência artificial para identificar moléculas que poderiam inibir a expansão do coronavírus pelo corpo humano.

A empresa publicou um documento mostrando o avanço das suas descobertas com a intenção de ajudar a comunidade médica na busca por uma solução contra o vírus. “Estamos entrando em um território desconhecido. Queremos trabalhar em conjunto com outros braços da medicina para tentar chegar a uma solução”, disse o CEO Alex Zhavoronkov.

Se conseguirem avançar rapidamente nas descobertas, as empresas esperam realizar testes em seres humanos dentro do próximo ano – processo mais rápido que o comum da indústria farmacêutica.

Outras soluções

No Reino Unido, uma equipe de pesquisadores anunciou no dia 11 de fevereiro que estava testando em ratos uma vacina contra o novo coronavírus. O time de cientistas espera concluir a experiência até o fim do ano. Além dos britânicos, cientistas da China, dos Estados Unidos, da Austrália e Europa trabalham juntos a fim de encontrar um produto capaz de combater a doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) também anunciou na última semana que uma nova vacina pode ficar pronta em 18 meses. Em coletiva, a instituição não deu detalhes sobre a solução. Apenas, em coletiva, afirmou: “Precisamos fazer tudo o que podemos com as armas disponíveis hoje.”

Fonte: Época Negócios

Veja também: Atletas olímpicos usam pílula digital para controlar temperatura

Siga nosso Instagram

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.