Notícias do setor farmacêutico

Coalizão de AstraZeneca, Baxter e BMS revela dados inéditos sobre saúde renal dos brasileiros

231

Atentas ao cenário de crescimento de doenças crônicas e unidas em prol da saúde do paciente, as farmacêuticas AstraZeneca do Brasil, Baxter e Bristol-Myers Squibb firmaram uma parceria inédita para compreender a realidade de doenças renais no Brasil e o nível de conhecimento da sociedade sobre a função dos rins. Para obter dados e informações exclusivas, as empresas realizaram uma pesquisa nacional, executada pelo instituto de pesquisas Abril Inteligência. O estudo deu visibilidade a diversos temas relacionados a pacientes e às doenças – e os resultados foram esclarecedores.

Veja também: Laboratório faz mais de 100 exames domiciliares de coronavírus por dia

A análise avaliou o conhecimento e o comportamento do público geral sobre as condições, os fatores de risco das doenças relacionadas aos rins, os exames e tratamentos e o dia a dia de pacientes renais. Para chegar aos resultados, cerca de 1900 pessoas de todas as regiões do país participaram da pesquisa – sendo 331 deles portadores de alguma doença renal, entre elas insuficiência renal crônica, hiperpotassemia, câncer renal e diabetes – um dos principais fatores de risco para doenças renais.

Siga nosso Instagram

Os dados levaram à visualização de mitos nocivos à saúde que são culturalmente disseminados pela sociedade. Entre eles, está a perspectiva de que os dois principais fatores de risco para doenças renais é necessariamente, o baixo consumo de água, seguido pela alta ingesta de sal. Enquanto reais riscos aparecem quarta, quinta e sétima posições, respectivamente, são eles: hipertensão, diabetes e obesidade.

Quando o assunto é cuidado periódico, o cenário é ainda mais alarmante: 50% dos indivíduos sem doença renal nunca consultou um médico para cuidar dos rins, seja clínico-geral ou o nefrologista, o especialista, que só foi visitado por 8% dos respondentes sem doença ativa.  Estes dados também ressaltam a real percepção de doenças populares, como é o caso do câncer renal. A patologia foi citada como a doença que mais preocupa pacientes e não-pacientes, o que não corresponde com a realidade do cuidado.

Este tipo de câncer tem evolução lenta e, por isso, os primeiros sintomas são indícios do estágio avançado da doença – é o relato de 49% dos pacientes que descobriram a doença depois de passar mal e consultar um médico, geralmente o urologista. São indivíduos acima dos 50 anos (46%) que relataram dor lombar, fadiga, sangue na urina, entre outros sintomas antes da consulta com o especialista. Nestes pacientes, o diagnóstico foi feito nos estágios III e IV em 23% dos participantes e 24% deles não sabiam a gravidade da doença.

Para aqueles com insuficiência renal crônica, 72% deles foram diagnosticados com a doença até 39 anos, ou seja, em plena idade produtiva, impactada diretamente, segundo relato dos próprios pacientes. O nefrologista, especialista em doenças do sistema urinário, especialmente dos rins, foi o responsável por 77% dos diagnósticos, cujos pacientes chegaram em consulta já no estágio 5 em 35% dos casos e outros 26% sequer sabiam qual era a situação do órgão. Em relação ao tratamento, 44% faz uso de medicamentos, outros 50% fazem hemodiálise e 9% não faz nenhum tipo de abordagem clínica. Outra alternativa mais moderna de tratamento, a diálise peritoneal, é a opção usada por 11% dos pacientes.

A triste realidade também aflige aqueles com doenças de fácil manejo. Quando falamos de doenças como a hiperpotassemia, apenas 31% dos entrevistados com doenças renais dizem se tratar com medicamentos e 12% alega ter episódios da doença ao menos uma vez por mês. Além disso, quase metade dos pacientes sofre ou sofreu de anemia, reforçando a importância de investigar e tratar o quadro de forma constante e, assim, evitar piores prognósticos.

A pesquisa também trouxe dados reveladores sobre o cotidiano dos pacientes renais: eles relataram que conviver com doença afeta a vida profissional e escolar (56%), assim como as atividades sociais (46%) e a autoestima (40%). A relação com a família também é abalada para 34% dos respondentes, o que pode prejudicar a adesão a tratamentos e recuperação após determinados procedimentos, já que são os familiares grande maioria dos cuidadores destes indivíduos.

Fonte: Prnews Wire

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.