Notícias do setor farmacêutico

Bolsa tomba quase 20% na semana e se aproxima de marca de 2008

175

A Bolsa brasileira terminou a semana com queda acumulada de 18,9%, o pior desempenho para o período desde a segunda semana

A Bolsa brasileira terminou a semana com queda acumulada de 18,9%, o pior desempenho para o período desde a segunda semana de outubro de 2008, ano da última crise financeira, quando a o índice caiu 20%. No ano, a queda é de 42% e supera, em termos nominais, 2008.

Veja também: Governo reduz previsão de PIB para 0,02%

Corrigida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a queda nominal de 41,22% naquele ano é de 44,50%, segundo dados da Economatica. Se a correção inflacionária for media pelo IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), a queda naquele ano foi de 46,12%.

Siga nosso Instagram

Nesta sexta-feira (20), o Ibovespa, que chegou a subir 5,7% por volta das 12h, fechou em queda de 1,8%, a 67 mil pontos, menor patamar desde agosto de 2017.

À época, a Bolsa se recuperava da forte queda de 18 de maio daquele ano, conhecido como Joesley Day, quando o Ibovespa caiu 8,8% e foi a 61 mil pontos após divulgação de conversa comprometedora entre o empresário Joesley Batista e o então presidente Michel Temer (MDB).

As principais Bolsas globais inverteram a tendência de recuperação na tarde desta sexta, depois que os estados americanos Califórnia e Nova York decretaram isolamento domiciliar devido ao coronavírus e previsões para o PIB (Produto Interno Bruto) mostram um maior impacto da doença na economia.

Nos Estados Unidos, Dow Jones recuou 4,5%, S&P 500, 4,3% e Nasdaq, 3,8% nesta sexta. Na semana, o S&P 500 acumula queda de 15%, a maior desde 2008, ano da última crise financeira.

Já o WTI, referência de petróleo nos EUA, teve a maior queda semanal desde 1991, com recuo de 27% no período, a US$ 23,37, menor valor desde 2002. O Brent, referência internacional da matéria-prima, cai 19% no período, a US$ 27,27.

Os índices repercutem previsões negativas para a economia global. O Goldman Sachs prevê forte contração da economia americana no primeiro semestre deste ano devido ao coronavírus.

O banco americano espera uma queda no PIB (Produto Interno Bruto) de 6% no primeiro trimestre e de 24% no segundo, quando comparados ao mesmo período de 2019. Para o segundo semestre, o Goldman prevê recuperação, com crescimento de 12% do PIB no terceiro trimestre e de 10% no quarto.

O banco também revisou sua estimativa para o desemprego e estima um crescimento de 5 pontos percentuais, levando a taxa para 9% nos próximos trimestres. Desde 2011 os EUA não veem uma taxa de desemprego tão alta. No auge da crise, a taxa chegou a 10% em 2009.

Segundo a União Europeia, a recessão de 2020 pode ser tão ruim quando a de 2009.

Para o Brasil, o Ministério da Economia cortou a projeção oficial para o crescimento do PIB em 2020 de 2,10% para 0,02%.

Segundo a FGV (Fundação Getulio Vargas), a economia brasileira poderá ter contração de 4,4% em 2020, com riscos de a atividade ainda sentir efeitos negativos “significativos” até 2023.

Essa previsão é resultado de cálculo considerado mais realista pela FGV que, baseado em modelos econométricos, leva em conta os mecanismos de propagação doméstico e externo operando simultaneamente.

Apesar do cenário negativo, a cotação do dólar cedeu com intervenções do Banco Central. A autarquia vendeu US$ 2,95 bilhões em leilão “de repo” (acordos de recompras) —operação compromissada em que o o BC compra títulos soberanos em dólar— e US$ 175 milhões à vista.

A cotação do dólar fechou em queda de 1,5%, a R$ 5,022. O turismo está a R$ 5,32 na venda. Em algumas casas de câmbio, chega a ser vendido acima de R$ 5,40.

O dólar ficou R$ 0,194 mais caro na semana, alta acumulada de 4%. No período, as principais moedas globais se desvalorizaram ante o dólar. O euro e a libra acumulam perdas semelhantes.

Na Bolsa, uma das maiores quedas do dia foi da Sabesp, com recuo de 11,8%, a R$ 33,32, depois que o governo de São Paulo anunciou que a companhia vai suspender a cobrança da tarifa social de água para 506 mil famílias carentes no estado. A medida vale a partir de 1º de abril (Folha de S.Paulo, 21/3/20)

Fonte: Brasil Agro

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.