Notícias do setor farmacêutico

Coronavírus: montadoras no Brasil estudam usar fábricas paradas para produzir ventiladores e respiradores

4.010
coronavírus
A fábrica da Ford em Valência, na Espanha, produz cerca de 400 mil veículos por ano Foto: Ford

Montadoras e autoridades já iniciaram conversas sobre como utilizar fábricas paradas para produzir produtos em falta nos hospitais para combater a epidemia de coronavírus, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Das 65 fábricas no Brasil, 37 estão paradas, com mais de cem mil trabalhadores em férias coletivas, licenças ou lay-off.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/24/empresa-de-balas-que-comecou-com-r-1-expande-pelo-pais/

Uma das opções, seria utilizar as impressoras 3D para produzir peças de ventiladores e respiradores, que depois seriam montados por empresas especializadas.

A Fiat Chrysler confirmou que está participando de vários fóruns e discussões em âmbito estadual e federal para avaliar de qual forma pode contribuir neste momento de crise. A GM, a Ford e a Mercedes-Benz também já demonstraram interesse em fabricar os equipamentos.

No exterior, já ganhou corpo o movimento de fabricantes de veículos que usam suas instalações para acelerar a produção de itens em falta.

A americana Ford anunciou na terça-feira uma associação com a 3M e a divisão de saúde da General Electric (GE Healthcare) para a produção de ventiladores mecânicos e respiradores, equipamentos essenciais para o tratamento do novo coronavírus.

– Com as matrizes iniciando essa produção no exterior, as filiais por aqui também poderão utilizar os programas para imprimir peças – disse Rafael Galante, consultor especializado em indústria automotiva.

No Reino Unido, a Jaguar Land Rover e a Rolls-Royce produzirão 20 mil respiradores mecânicos para o sistema de saúde do país. Na Alemanha, a Volkswagen informou que vai atender o pedido do governo, que solicitou ajuda às montadoras, e criou uma força-tarefa internacional para explorar opções.

Embora o equipamento médico seja um novo empreendimento para a montadora, a companhia pode iniciar a produção desses itens assim que receber as informações necessárias.

O presidente da GM América do Sul, Carlos Zarlenga, levantou na semana passada a possibilidade de fabricar peças dos ventiladores em linhas de produção da montadora paradas.

As discussões com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), órgão vinculado ao Ministério da Economia para políticas industriais, também já foram iniciadas.

Algumas montadoras já colocaram suas frotas à disposição para transporte de trabalhadores no interior do país. Também estão ajudando no transporte de álcool gel e de equipamentos médicos.

Siga nossa Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: O Globo

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.