Notícias do setor farmacêutico

5 efeitos colaterais da cloroquina, medicamento em teste para a covid-19

45.471

A cloroquina e sua variante hidroxicloroquina são remédios apontados em estudos científicos preliminares como promissores para o tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus. Os medicamentos serão usados, em caráter experimental, pelo Ministério da Saúde para tratar pacientes que apresentam sintomas graves da doença covid-19, causada pelo coronavírus. Prevent Senior e a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein também fazem testes com a droga.

Veja também: EUA aprovam remédio para tratamento da Covid-19

A cloroquina é um medicamento conhecido pela sua eficácia no tratamento de doenças como malária, lúpus e artitre reumatoide. A substância é vista por governos e especialistas como uma esperança no tratamento da covid-19, contraída por mais de 400 mil pessoas globalmente (sendo mais de 2 mil no Brasil, segundo o Ministério da Saúde).

Siga nosso Instagram

Segundo a Mayo Clinic, organização Americana sem fins lucrativos voltada para a prática clínica, educação e pesquisa médica, a cloroquina não deve ser tomada junto com 14 medicamentos (amisulprida, aurotioglucose, bepridil, cisaprida, dronedarona, levometadil, mesoridazina, pimozida, piperaquine, saquinavir, sparfloxacina, terfenadina, tioridazina e ziprasidona).

Os efeitos colaterais da cloroquina junto a essas outras drogas podem ser os seguintes:

– Dor de cabeça;

– Visão embaçada;

– Náuseas e vômito;

– Câimbras;

– Diarreia,

Taquicardia, queda de pressão sanguíneia, coceira e manchas avermelhadas na pele também pode estar entre os efeitos colaterais do uso da cloroquina.

Efeitos colaterais parecidos estão associados com a variante hidroxicloroquina, ligada a convulsões e mudanças no estado mental, de acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos.

O uso indiscriminado da cloroquina está ligado a casos de morte. Nesta semana, um americano morreu por ter tomado cloroquina sem supervisão médica. A Nigéria teve dois casos similares.

O presidente americano Donald Trump fez um discurso inflamado na semana passada afirmando que a cloroquina seria um medicamento que poderia curar a covid-19, uma afirmação sem embasamento científico adequado e sustentada apenas por estudos preliminares na China e na França a respeito da aplicação em pacientes contaminados pelo novo coronavírus.

Em entrevista coletiva transmitida via internet na última quarta-feira (25), organizada pelo Ministério da Saúde do Brasil, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Denizar Vianna, afirmou que o Brasil tem uma experiência de décadas no tratamento da malária em pacientes na região Norte, o que aumenta as chances de sucesso de especialistas brasileiros no uso da droga. O secretário disse que a equipe técnica do governo elaborou um protocolo, que prevê cinco dias de tratamento com cloroquina dentro do hospital e monitorado por um médico.

“Não usem o medicamento fora do ambiente hospitalar, isso não é seguro. É preciso ter supervisão médica. Tratamos pacientes de malária com cloroquina há décadas, mas os pacientes com covid-19 precisam de uma série de outras medidas para o tratamento da doença”, afirmou o secretário.

Na comunidade médica, há críticas ao uso da cloroquina em pacientes. Médicos reforçam que, no juramento da profissão, prometeram “nunca causar dano ou mal a alguém” e usar drogas para tratar doenças sem o devido aval da Organização Mundial da Saúde para tanto seria algo incondizente com a profissão.

Fonte: Exame

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.