Notícias do setor farmacêutico

Coronavírus: vendas por aplicativos aumentam 50%

308

Se para taxistas e motoristas de aplicativos a situação esta cada vez mais complicado, para os entregadores que trabalham através

Se para taxistas e motoristas de aplicativos a situação esta cada vez mais complicado, para os entregadores que trabalham através de aplicativos, o cenário é melhor.

Veja também: Supercomputadores vão ajudar em pesquisas sobre coronavírus

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos (Sincofarma), Antônio Félix, os pedidos via aplicativos ampliaram em média 50% após a quarentena decretada para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. “O cliente com medo (do novo coronavírus) está pedindo, e as entregas aumentaram. Aumentou bastante a procura pelas entregas em domicílio”. Segundo ele, as vendas físicas também tiveram alta, mas há alguns produtos que começam a faltar. “Faltam máscaras e álcool em gel. Vitamina C, dipirona e paracetamol estamos com dificuldade. Falta na distribuidora porque o laboratório não tem a matéria-prima”, explica.

Siga nosso Instagram

“Teve um aumento bem grande de pedidos. Eu costumo ficar mais na região da Aldeota, Meireles e Dionísio Torres e senti esse aumento. À noite, eu fazia em torno de oito viagens e hoje eu faço até 20 entregas no período que vai das 19h até 1h da manhã”, explica. De acordo com ele, os pedidos de comida, praticamente, não aumentaram. A resposta positiva, no entanto, veio das farmácias e supermercados. “O que teve um aumento considerável foi aquisição de produtos de farmácia e compras de supermercados. O pessoal começou a pedir muito mais esses produtos. Fast food continua o mesmo movimento”. Para dar conta da crescente demanda, Aidan diz que todas as medidas de higienização estão sendo tomadas. “No próprio aplicativo, eles dão algumas orientações para passarmos álcool e na hora da entrega manter a distância de 1,5 metro do cliente. Eles estão incentivando os clientes a pagarem direto no aplicativo para não termos contato com a pessoa e usarmos máscaras também. Orientam a colocarmos os pedidos na maçaneta da porta”, afirma.

Fonte: Diário do Nordeste

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.