Notícias do setor farmacêutico

Problemas logísticos de cargas para saúde são debatidos com o Governo Federal

Reunião com executivos do Ministério da Infraestrutura teve participação de representante da ABRAIDI que revelou as situações complexas enfrentadas pelas associadas com a redução de voos

127
saúde
Reunião com executivos do Ministério da Infraestrutura teve participação de representante da ABRAIDI que revelou as situações complexas enfrentadas pelas associadas com a redução de voos

A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde – ABRAIDI – participou, na quarta-feira passada (15 de abril), de uma reunião no gabinete da Secretaria Executiva do Ministério da Infraestrutura. O encontro com secretário executivo adjunto, Rodrigo Moreira da Cruz, também teve a presença de um representante da Agência Nacional da Aviação Civil – ANAC e de outras entidades da saúde, como CNS, FBH, Sindusfarma, Interfarma e Abramed.

O tema debatido foi a dificuldade de logística e, especialmente, de transporte aéreo para internalizar importações de insumos relacionados à pandemia do Covid-19. Segundo informado, autoridades dos ministérios da Infraestrutura e Relações Exteriores têm trabalhado para implantar uma ponte aérea com dois voos semanais entre o Brasil e China (Xiam e Wenzhou), a pedido do Ministério da Saúde, para trazer 240 milhões de máscaras cirúrgicas, usando rotas que evitem embargos ou confisco de cargas. Moreira da Cruz explicou a baixa oferta de voos, os altos custos envolvidos e as negociações com empresas aéreas brasileiras, além de comentar os cuidados com as contratações públicas.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/03/02/prefeitura-municipal-de-cruz-machado-cruz-machado-pr/

Na ocasião, o diretor técnico da ABRAIDI, Sergio Madeira, relatou as dificuldades encontradas pelos associados, com a expressiva diminuição da oferta de voos para o Brasil, tendo exemplificado que uma empresa precisou usar rotas complexas da Europa, passando por Bruxelas, Hamburgo para somente depois conseguir um trajeto para que a carga desembarcasse no país.

Sergio Madeira comentou das dificuldades ainda maiores se os produtos tiverem restrições de temperatura, como vacinas, biológicos e os atuais produtos de diagnóstico para o Covid-19. Os representantes de hospitais também demonstraram preocupações com os insumos em geral e a dificuldade de obter os equipamentos de proteção individuais – EPI’s.

“Foi decidido que a ABRAIDI formará um comitê de crise com a participação das empresas para fazer uma avaliação do cenário atual para equacionar as demandas provocadas pela pandemia, além de traçar projeções para a retomada do ritmo de atividades em futuro próximo”, informou o diretor técnico. Uma nova reunião foi agendada para a próxima semana onde serão apresentadas as projeções e medidas necessárias para mitigar os danos da crise sanitária, do ponto de vista da logística internacional e local.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Saúde Business

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.