Notícias do setor farmacêutico

9 em cada 10 farmácias não têm estrutura para realizar testes da covid-19

43

Levantamento da Febrafar revela que 9 em cada 10 estabelecimentos farmacêuticos não têm estrutura para a realização de testes rápidos para a Covid-19.

Desde que o serviço foi autorizado pela Agência de Vigilância Sanitária, apenas 200 das 78 mil farmácias de todo o Brasil começou a fazer o diagnóstico da doença. Segundo a Anvisa, a medida tem o objetivo de ampliar a oferta de testagem, ajudando assim a desafogar o sistema público de saúde.

No entanto, para poder realizar os testes, os estabelecimentos precisam cumprir algumas exigências sanitárias para evitar a contaminação de clientes e funcionários: primeiro, é necessário um local específico para a coleta, como uma sala; segundo, é indispensável que todos os profissionais usem equipamentos de proteção individual (EPIs), como touca, óculos, máscara, avental e luvas descartáveis.

A coleta pode ser feita também no estacionamento ou dentro do carro do cliente, no sistema drive-thru. “A partir do momento que eu me proponho a fazer o teste, eu estou trazendo, para o ambiente da farmácia, uma pessoa, um paciente com alta probabilidade de estar contaminado”, aponta o presidente da Febrafar, Edson Tamascia, sobre a necessidade de cuidados com a segurança.
Para o teste rápido é colhido uma amostra de sangue no dedo, que depois é depositado no aparelho. O resultado sai em, no máximo, trinta minutos e custa R$ 199. O exame detecta a presença de anticorpos do novo coronavírus no organismo.

O presidente-executivo da Federação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias, explica que a eficiência do teste depende do estágio da infecção, isto é, se o corpo já teve tempo para produzir anticorpos contra a Covid-19. “Ele é muito eficaz realmente após o sétimo, décimo dia de sintomas. Desde que se siga esse protocolo e essa regra, o teste é sim um bom instrumento”, afirma Sergio Mena Barreto.

Alguns pacientes como Leonel de Almeida Júnior, porém, questionam o método. No dia 08 de maio, sétimo dia de sintomas das Covid-19, o comerciante fez um exame no hospital, considerado o mais seguro, com coleta de material na boca e nariz. O resultado foi positivo.

Nesta semana, catorze dias depois do primeiro sintoma da doença, Leonel fez o teste rápido em uma farmácia da zona sul da capital paulista, e o resultado? “Deu negativo”, respondeu o comerciante, mostrando o teste. “Então, você não confiou nesse da farmácia?”, questionou a repórter Simone Queiroz. “Não, não confiei”, ele concluiu.

Fonte: Portal SBT – Jornal SBT BRASIL

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })