Notícias do setor farmacêutico

Coronavírus: Mercado financeiro projeta tombo cada vez maior para economia

31
Coronavírus
Aceleração de casos de coronavírus no país e incerteza sobre paralisação da economia pressionam a previsão do PIB Alexandre Schneider/Getty Images

Analistas do mercado financeiro reduziram, pela décima quarta vez consecutiva, a previsão para o desempenho da economia brasileira neste ano. Segundo o Boletim Focus, divulgado na manhã desta segunda-feira, 18, o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 deve apresentar uma contração de 5,xx% – na última semana, a estimativa era de queda de 4,11%. O cenário de deterioração econômica leva em consideração a evolução da pandemia do coronavírus no país – já são mais de 241 mil casos e 16 mil mortes – que traz incerteza quanto a paralisação da economia, além da tumultuada cena política. Para 2021, a projeção do mercado é de um crescimento de 3,2%. Essa foi a décima segunda vez consecutiva que a previsão de resultado da economia para este ano foi revisada.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

A projeção do mercado é ligeiramente pior do que a do governo. Na semana passada, o Ministério da Economia revisou a expectativa do PIB, prevendo recessão de 4,7%. A estimativa leva em conta que as medidas de isolamento social na maioria do país se encerrem no fim de maio e que, a partir disso, a economia reabra e passe a dar sinais de reação no segundo semestre do ano. Há analistas do mercado financeiro que estão bem mais pessimistas. O BTG Pactual, por exemplo, prevê tombo de 7% na economia brasileira para este ano.

A crise do coronavírus atingiu o país no ano em que se esperava uma reação da economia, que dava sinais de recuperação da crise vivida entre 2015 e 2016. No início do ano, quando a pandemia do coronavírus estava concentrada na China e não se sabia ao certo quando e como chegaria ao Brasil, os especialistas estimavam crescimento econômico para este ano na casa de 2,3%.

Caso a previsão do mercado financeiro para o resultado da economia brasileira se confirme, a queda do PIB de 2020 será ainda maior do que a registrada em 2016, ano do impeachment de Dilma Rousseff, quando a economia retraiu 3,3%. Com a evolução da doença, algumas regiões já começam a adotar o sistema de “lockdown”, como acontece no Maranhão e no Pará. Em São Paulo, o governo estadual e a prefeitura da capital paulista não descartam o endurecimento das medidas para evitar colapso no sistema de saúde. São Paulo é a maior região produtora do país e, qualquer impacto na produção, reflete no PIB.

Inflação

Além da revisão para o PIB, os economistas consultados pelo Banco Central também reduziram as projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA, que mede a inflação oficial no país. Com menos demanda de produtos, os preços tendem a não acelerar tanto. A previsão para o indicador saiu de 1,76% para 1,59% no ano, abaixo da meta traçada, que é de 4%. A crise econômica provocada pelo coronavírus afeta a demanda, e por isso tem caráter deflacionário. A deflação acontece quando os preços de produtos e serviços caem em um determinado período. É um movimento contrário ao da inflação, quando os preços sobem. Uma das principais causas da deflação prolongada é a economia em crise, quando os consumidores compram menos e forçam as empresas a reduzirem preços. Em abril, o resultado do IPCA de abril trouxe deflação de 0,31%, primeira vez na história que o indicador de abril é negativo. Para 2021, a projeção caiu de 3,30% para 3,25%.

A taxa básica de juros, a Selic, por sua vez, teve sua projeção reduzida de 2,50% para 2,25% ao fim deste ano. Hoje, a Selic vigora em 3% ao ano. Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu em 0,75 ponto porcentual a taxa para estimular a economia durante a crise.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/05/19/pib-do-pais-abaixo-dos-5/

A projeção para o dólar subiu para 5,28 reais ao fim do ano. A moeda americana continua sua escalada e, na última semana, fechou o pregão vendida a 5,83 reais, repercutindo o agravamento da crise política e de saúde com o pedido de demissão de Nelson Teich e o acirramento do presidente Jair Bolsonaro com governadores e prefeitos.

Fonte: Veja

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.