Notícias do setor farmacêutico

Pandemia deve gerar até 5 mil pedidos de recuperação judicial de empresas neste ano

138
pandemia
Lojas fechadas e pouca movimentacao de pessoas no Saara, no Centro do Rio Foto: Hermes de Paula/Agência O Globo

A pandemia do novo coronavírus e a queda livre da atividade econômica brasileira devem fazer com que os pedidos de recuperação judicial de empresas alcancem, neste ano, o maior patamar da história. Especialistas estimam que de 2 mil a 5 mil negócios devem pedir socorro à Justiça para evitar um pedido de falência.

Viu isso?Lojas, restaurantes e hotéis podem fechar até 5 milhões de vagas este ano

Mesmo que o realizado seja o piso das estimativas, ainda assim será um número superior ao recorde atual de 1.863 casos, registrados em 2016, e bem acima do verificado no ano passado, quando 1.387 empresas solicitaram proteção da Justiça para reorganizar os negócios e evitar o fechamento.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/05/15/a-consultoria-mckinsey-diz-que-a-industria-de-artigos-de-luxo-pessoais-deve-contrair-entre-35-e-39-este-ano/

A onda de pedidos de recuperação está apenas no início, dizem os especialistas, e deve afetar em particular os setores que mais sofreram até agora, como aviação civil e turismo.

O advogado Euclides Ribeiro, sócio da consultoria em reestruturação ERS, de São Paulo, prevê cerca de 5 mil pedidos de recuperação judicial no ano, com a possibilidade de alguns deles ficarem para 2021 por causa da falta de estrutura do judiciário para lidar com a avalanche de pedidos.

Mudança brusca

Para Ribeiro, mais grave que uma recessão aguda como a que se avizinha — o próprio governo Jair Bolsonaro espera uma retração de 4,7% da economia em 2020 —, é a reversão brusca de expectativas causada pela chegada da pandemia do vírus.

Analistas:Recuperação econômica terá que passar por investimento em saúde, obras e renda mínima, dizem analistas

— No início do ano, os empresários previam que a economia brasileira iria crescer mais de 2% e, por isso, investiram. Agora, terão muitas dificuldades de caixa — diz o especialista.

O segundo semestre de 2020 deve ver a curva de pedidos de socorro das empresas crescer rapidamente.

Os casos de recuperação judicial, que atualmente giram entre 100 e 200 por mês, devem chegar a 400 em agosto e ficar nesse patamar até dezembro, segundo levantamento da consultoria Alvarez & Marsal, que prevê até 2.500 pedidos de proteção judicial em 2020.

As empresas costumam ter caixa para aguentar até três meses após um choque como a pandemia, disseminada pelo país a partir de março, diz Leonardo Coelho, sócio-diretor da consultoria. Além disso, medidas do governo federal, como as reduções salariais permitidas pela MP 936 e novas linhas de crédito dos bancos ajudaram a “achatar a curva” dos pedidos até agora.

— Daqui para frente, os números podem subir violentamente caso a pandemia avance e medidas mais restritivas de isolamento social sejam tomadas — diz Coelho, que prevê mais pedidos de recuperação judicial em estados onde as restrições à circulação demorarão mais para serem abolidas por causa do alto número de infectados pela Covid-19, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Geração perdida: Pandemia fará economia ter pior desempenho em 120 anos e a ameaça futuro dos jovens

Estados como Paraná e os da região Centro-Oeste, dependentes do agronegócio, têm empresas mais bem preparadas para enfrentar os efeitos da pandemia.

Efeitos diversos

Uma particularidade da crise atual é que alguns setores são muitos afetados e outros ficam de fora, segundo avaliação de Salvatore Milanese, da consultoria em reestruturação Pantalica, que prevê mais de 2 mil pedidos de socorro em 2020.

O apuro será extremo em cadeias produtivas dependentes de pessoas em movimento, como aviação civil, turismo e automobilística, que vão precisar mudar a maneira de ganhar dinheiro para sair do atoleiro.

Pandemia:Crise obriga classe média a rever gastos e a usar poupança para pagar contas

Em condição um pouco melhor estão construção civil e varejo, cujos negócios podem voltar a ser o que eram antes da crise sem maiores percalços. O risco é baixo nas cadeias produtivas que seguem com demanda elevada mesmo na crise, como as das indústrias alimentícia e farmacêutica.

O ensino privado já dá sinais de sofrer com a crise. Na semana passada, a Universidade Cândido Mendes pediu recuperação judicial. Um dilema do setor é como lidar com custos fixos, como aluguel e manutenção das estruturas de escolas, sem saber quando as unidades poderão voltar a ser usadas.

Pelo lado das receitas, as escolas vêm sendo pressionadas a dar descontos nas mensalidades por estarem dando aulas virtuais.

— O maior problema desses negócios será reduzir custos fixos em meio à crise — diz a advogada Laura Bumachar, sócia do escritório Dias Carneiro.

Leia:Governo planeja revisão de contratos de estradas e aeroportos, com aval até para alta de tarifa

Trava financeira

Uma limitação aos pedidos de recuperação judicial é o alto custo da medida. Ao menos 5% do valor da dívida são gastos com honorários de advogados e custos processuais. Por isso, o pedido de proteção à Justiça faz sentido para empresas médias e grandes, diz Leonardo Nascimento, da consultoria em reestruturação de empresas Urca Capital.

Para ele, há um universo de 60 mil negócios com faturamento compatível aos custos de uma recuperação judicial.

Pós-pandemia: Do trabalho a família, saiba o que vai mudar na vida dos brasileiros

— Milhões de pequenas e médias empresas cujas receitas sumiram com a crise estão desprotegidas — diz.

Essa questão dos custos tem gerado uma série de discussões sobre possíveis mudanças na atual lei de recuperação judicial, de 2005.

O projeto de Lei mais recente sobre o assunto, do deputado Hugo Leal (PSD-RJ), propõe um mecanismo específico para empresas que tiverem problemas de caixa em 2020 por causa da pandemia: antes de ir para a recuperação judicial, elas teriam 60 dias de carência para suspender pagamentos e negociar as dívidas com fornecedores.

Isso seria uma forma de evitar um volume muito grande de processos na esfera judicial.

— Sem mudanças na lei, vamos viver uma situação crítica como é hoje a da saúde pública — diz Thomas Felsberg, sócio-fundador do escritório de advocacia Felsberg.

Efeitos da pandemia: ‘O maior risco da crise é a instabilidade social’, diz especialista em relações internacionais

Para Ricardo Jacomassi, sócio da consultoria em reestruturação de empresas TCP Latam, ampliar a lei de recuperação judicial pode ajudar a reconstrução das cadeias produtivas da economia.

— A salvaguarda judicial pode ser o único instrumento de empresas e seus credores para se acomodarem num cenário de forte retração da economia — diz Jacomassi, que prevê uma queda de 6,8% do PIB em 2020.

Para Renato Carvalho Franco, conselheiro da TMA Brasil, associação de consultorias em reestruturação de empresas, o Congresso deveria ter urgência na discussão.

— A situação de caixa de boa parte das empresas brasileiras é desoladora e vai continuar assim pelos próximos meses — diz.

Colapso em todos os setores

Fundada há 118 anos e pioneira no ensino superior de Economia, a Universidade Candido Mendes pediu socorro à Justiça no último dia 11 após ver o faturamento cair 30% em março e a inadimplência chegar a 25% por causa da pandemia.

Com dívidas de R$ 400 milhões, os percalços da Candido Mendes começaram a surgir no fim de 2014, quando a instituição atingiu o recorde de alunos: 24 mil. Desde então, a redução do Fies, crédito educacional do governo federal, levou à queda brusca no número de alunos, hoje cerca de 10 mil.

Uma das maiores empresas de ônibus do Rio de Janeiro, a Expresso Pégaso pediu recuperação judicial na semana passada com dívidas de R$ 49 milhões. A companhia, que tem cerca de 500 funcionários, viu sua situação financeira se agravar com a redução do número de passageiros.

Desde meados de março, a queda foi de 66% por causa da pandemia do coronavírus. Passou de uma média diária de 36 mil, antes da crise, para os atuais 12 mil por dia. Com isso, o faturamento diário caiu de R$ 115 mil para R$ 38 mil, retração de 66%.

Com dívidas em R$ 1,3 bilhão, o conglomerado João Fortes, que reúne 63 empresas, pediu socorro judicial em 27 de abril. Dono de uma das principais construtoras do Rio, o grupo começou a sentir percalços financeiros há sete anos com a onda de distratos imobiliários causados pela crise econômica de 2015-2016 e que também prejudicaram o balanço de concorrentes.

A retomada lenta da economia do Rio após as Olimpíadas de 2016 e o fechamento do comércio com a pandemia complicaram mais ainda o fluxo de caixa do grupo.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: O Globo

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.