Notícias do setor farmacêutico

Apesar de novo protocolo, Anvisa não flexibiliza a venda de cloroquina

34

cloroquina

Apesar do Ministério da Saúde ter divulgado, nessa quarta-feira (20), um novo protocolo que libera, no SUS, o uso da cloroquina até para casos leves da Covid-19, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não alterou o controle sobre o tipo de receita para a compra desses medicamentos e segue exigindo a Receita de Controle Especial em duas vias: uma é devolvida ao paciente e outra fica retida nas farmácias.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

O aumento do controle foi feito em março. Antes, era exigida apenas uma receita comum. Apesar do grau de dificuldade maior, a procura pelo medicamento nas farmácias continua grande. Desde a chegada da pandemia no Brasil, houve um aumento significativo no número das vendas.

De acordo com um levantamento feito pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), a alta nas vendas no primeiro trimestre de 2020 foi de 67%, em relação ao mesmo período do ano passado. Em números exatos, de janeiro a março de 2019, foram vendidas 231.546 unidades de medicamentos contendo cloroquina nas farmácias, enquanto em 2020 esse número passou para 388.829.

Sindusfarma – sindicato das indústrias farmacêuticas – também fez um levantamento para entender a disparada na procura pelo medicamento este ano. As vendas, em caixas, foram aumentando de janeiro a março. Em abril, houve um leve recuo, mas o número permaneceu alto.

Segundo o estudo, em janeiro de 2020, foram vendidas 91. 387 caixas; em fevereiro, foram 79. 659; em março, 365. 016 unidades; e em abril, o número ficou em 211.261 caixas comercializadas.

Uma apuração da CNN Brasil dá conta de que, desde o início da pandemia no Brasil, foram produzidos 1.250.000 comprimidos de cloroquina de 150mg pelo Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército. Antes da pandemia, eram produzidos 250.000 comprimidos de do medicamento de 150 mg a cada dois anos.

Em nota enviada à CNN, a Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – disse que a competência para incluir substâncias na lista de produtos sujeitos a controle especial é do próprio órgão, com isso, mesmo depois do novo protocolo do Ministério de Saúde, os termos da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 351/20 permanecem os mesmos.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/02/29/farmaindex-tudo-sobre-medicamentos-em-um-so-lugar/

O órgão informou, ainda, que o uso de medicamentos sem orientação médica e sem provas de que realmente está indicado para determinada doença pode trazer uma série de riscos.

Fonte: Alagoas 24 horas

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.