Notícias do setor farmacêutico

Einstein não recomenda prescrição de cloroquina contra o coronavírus

130
cloroquina
Caixa do remédio hidroxicloroquina, usado para combater lúpus e artrite –e defendido por Bolsonaro no combate ao coronavírus

Em comunicado ao corpo médico, o Hospital Israelita Albert Einstein informou que a instituição não recomenda a prescrição dos medicamentos antimaláricos cloroquina e hidroxicloroquina para o tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

No memorando, a instituição diz ter se baseado em estudos da agência de fiscalização sanitária norte-americana, que revogou a autorização das substância para uso off label (quando 1 remédio é administrado em casos não indicados pela bula).

Outra pesquisa publicada na revista médica The Lancet com 96.032 pacientes mostrou que a as drogas contra a malária não têm efeito terapêutico contra o coronavírus, podendo agravar a situação cardíaca de pacientes em estado grave. No entanto, os autores da publicação posteriormente voltaram atrás, alegando que não podiam mais “garantir a veracidade das fontes de dados primárias“.

Leia o comunicado do hospital:

“O Hospital Israelita Albert Einstein esclarece que nunca contou com 1 protocolo de uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19.

Médicos do corpo clínico aberto, porém, poderiam prescrever os medicamentos em acordo com os pacientes confirmados com o novo coronavírus, fazendo a utilização chamada de off label, ou seja, fora das indicações homologadas para os fármacos pela agência reguladora no Brasil, a Anvisa.

Nesta 5ª feira (25.jun.2020), o Einstein recomendou a não utilização, nem em modo off label das medicações em pacientes internados pela infecção causada pelo Sars-coV-2 no hospital, frente ao recente comunicado divulgado pela agência norte-americana FDA (Food and Drugs Administration) revogando a autorização de uso emergencial do medicamento sulfato de hidroxicloroquina e fosfato de cloroquina no atendimento a pacientes com covid-19, levando em consideração que os estudos não mostraram diferenças em relação ao tratamento padrão e que os benefícios da utilização dos medicamentos não superaram seus riscos conhecidos e potenciais, além de 1 estudo controlado randomizado não demonstrar evidência e benefícios em relação à mortalidade, ao tempo de internação ou à necessidade de ventilação mecânica.”

Fonte: MSN

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })