Notícias do setor farmacêutico

Tomar Brufen facilita a entrada da Covid-19 no organismo?

Estudos apontam que a ingestão de medicamentos da classe de anti-inflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno, facilita a ligação do novo coronavírus na sua entrada no organismo humano. Aviso foi feito pelo ministro da Saúde francês, mas DGS e OMS não disseram ainda nada sobre o tema.

61

Brufen

Covid-19 – Doentes infetados com o novo coronavírus não devem tomar anti-inflamatórios como o ibuprofeno. O aviso chegou este sábado através do ministro da Saúde francês, Olivier Véran, que aconselhou nas redes sociais que a ingestão desta classe de medicamentos “pode ser um fator que piore a infeção” nos doentes com Covid-19.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Na sua página, a Direção-Geral de Saúde refere que antibióticos “não devem ser usados” na prevenção e tratamento do novo coronavírus, referindo que este não tem efeito sobre o Covid-19, mas não faz qualquer referência a anti-inflamatórios. Já a Organização Mundial de Saúde não fez ainda qualquer menção sobre os efeitos de anti-inflamatórios no combate ao coronavírus.

Um relatório divulgado pela revista científica The Lancet, divulgado a 11 de março, revela que três estudos feitos a doentes chineses evidenciaram que a classe de anti-inflamatórios não esteróides (conhecidos como AINE’s) aumenta a expressão de enzimas conversoras de angiotensina 2 (ACE2), recetores que existem em células epiteliais dos pulmões, intestinos, rins e vasos sanguíneos, e aos quais o SARS-CoV-2 se liga para entrar no organismo humano.

Assim, a ingestão de medicamentos como o Brufen ou o Spidifen pode afetar a capacidade de reação do sistema imunitário, responsável por combater o vírus. Por essa razão, o uso de medicamentos da classe AINE’s está desaconselhado em todas as viroses respiratórias, como é o caso da Covid-19.

De acordo com os mesmos estudos, a gravidade da infeção também pode ser influenciada pelo uso de substâncias como a cortisona ou a ingestão de medicamentos para combater a diabetes mellitus tipo 2, cuja substância ativa são as tiazolidinedionas (TZD’s), que também aumentam a expressão dos recetores ACE2 e facilitam a entrada do novo coronavírus no organismo humano.

Os investigadores responsáveis pelo estudo apontam ainda que, caso a influência do ACE2 seja confirmada, será gerado um conflito devido à influência que o recetor tem nos tratamentos para reduzir inflamação e em terapias para curar doenças respiratórias, cancro, diabetes e hipertensão, e sugerem que pacientes com doenças cardíacas, hipertensão ou diabetes sejam tratados com inibidores de ACE – bloqueadores do recetor de angiotensina 2 (ARB’s), como o Valsartan ou o Losartan.

Fonte: Portal Sábado

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/07/01/grupo-tapajos-aposta-no-digital-para-manter-faturamento-acima-de-r-1-bilhao/

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })