Notícias do setor farmacêutico

Como funciona a sedação de pacientes para intubação

35

Para a realização da intubação de pacientes, são necessários medicamentos para sedação, analgesia e bloqueio neuromuscular. Para cada uma dessas necessidades, existem vários medicamentos no mercado mas “a indústria não estava preparada” para ao aumento a demanda que surgiu. Unidades hospitalares têm mudado protocolos para que a falta dos fármacos não ocasione colapso no sistema. A dose dos medicamentos depende muito do perfil do paciente como peso e diagnóstico de comorbidade, segundo Mira Lustosa, integrante da Comissão de Farmácia Hospitalar do Conselho Regional de Farmácia do Ceará e chefe do Setor de Farmácia do Hospital Universitário Walter Cantídio.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Ela detalha que a adequação da dose pode ser feita “dentro de um limite”, desde que cumprindo a função do fármaco. “Sedaria um paciente com duas ampolas e posso fazer a opção de sedar só com uma ampola mas isso diminui o tempo de ação. Nesse caso, o médico precisaria trabalhar com mais rapidez”, exemplifica. “Dentro do protocolo e respeitando a necessidade do paciente”, frisa.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

“Temos as primeiras escolhas com relação a custo-benefício. Às vezes, tem uma alternativa mas não tem em grande quantidade. Os hospitais foram tentando comprar e se adequando ao que tinha disponível de forma a não deixar de dar atenção necessária e ter um elenco para que o médico pudesse tomar a decisão de intubar ou não”, explica.

Conforme Zilfran Teixeira, presidente da Sociedade Cearense de Terapia Intensiva, pacientes com Covid-19 quando ficam muito graves, têm comprometimento pulmonar grande. “Eles precisam ficar bem entregues (em sedação profunda) para que o ventilador possa trabalhar totalmente dominando o paciente”, detalha. Segundo ele, pacientes com coronavírus demoram mais tempo para a recuperação do quadro pulmonar, levando de duas a três semanas. “Acredito que já está mais normalizado. Teve uma fase mais complicada com falta de medicamentos mas houve a readequação do protocolo”, relata.(Ana Rute Ramires)

Fonte; O Povo Online
Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })