Notícias do setor farmacêutico

Impressão 3D pode ajudar em tratamentos de Covid-19, câncer e outras doenças

18

Em tempos de pandemia de COVID-19, a medicina encontrou uma aliada inesperada: a impressão em 3D. Uma equipe de especialistas do Instituto Wake Forest de Medicina Regenerativa está usando o processo (que eles chamam de bioprinting) para a criação de pequenas réplicas de órgãos humanos para testar medicamentos capazes de combater a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

A equipe está construindo pulmões em miniatura e enviando para testes em um laboratório de biossegurança da Universidade George Mason, no estado norte-americano da Virgínia, e está começando a imprimi-las em escala para pesquisas, à medida que a situação da pandemia continua a ficar cada vez mais intensa. Nos últimos anos, o instituto já havia imprimido esses minúsculos aglomerados de células para testar a eficácia de medicamentos contra bactérias e doenças infecciosas, mas nunca cogitaram isso como uma pandemia, até então.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Os pesquisadores estão aperfeiçoando os métodos para testar medicamentos e, eventualmente, criar pele e órgãos em tamanho real para transplante. A ideia por trás da impressão de pele, por exemplo, é ajudar as vítimas de queimaduras, gerenciar doenças como diabetes (onde a cicatrização de feridas é difícil), e realizar testes de cosméticos sem prejudicar animais.

No entanto, a importância da bioprinting não se limita apenas para tratamentos para a COVID-19, mas também câncer e outras doenças. A base para um órgão impresso é conhecida como andaime, feito de materiais biodegradáveis. Uma parte importante do processo é a construção de vasos sanguíneos. Os pesquisadores do instituto imprimiram a epiderme e a derme, as duas primeiras camadas da pele.

Mas o trabalho deles atingiu um obstáculo: sem incorporar os vasos sanguíneos, a pele acaba se soltando. Em colaboração com a Universidade de Yale, eles conseguiram construir todas as três camadas de pele humana. Eles começaram a experimentar a integração de células humanas, que revestem os vasos sanguíneos, e células que circundam as da pele. Eventualmente, após muitas tentativas e erros, eles conseguiram integrar os vasos sanguíneos com a pele e descobriram que eram formadas conexões entre os vasos sanguíneos novos e existentes.

O trabalho é preliminar, mas os especialistas estão esperançosos de que o sucesso na impressão de pele possa preparar o terreno para o êxito em humanos. A pesquisa é minuciosa e envolve muitas tentativas e erros. O laboratório também está investigando se o tecido ósseo humano pode ser impresso para eventual transplante. A expectativa é que, no futuro, os exames radiográficos dos pacientes possam ser traduzidos para a forma exata necessária para a implantação.

Fonte: Yahoo Finanças 

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })