Notícias do setor farmacêutico

Oxford: maioria dos voluntários recebeu a vacina, sem efeitos colaterais

33

Em menos de dois meses, 60,6% dos voluntários no país já receberam as doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório Astrazeneca , de acordo com levantamento realizado por VEJA. A região em estágio mais avançado de testagem é São Paulo, com cerca de 1.700 de aplicações, o que resulta em 85% do número total.

Um dos motivos para a escolha da aplicação dos testes de vacinas no Brasil foram os índices epidemiológicos da doença, que tinham altos patamares à época em que se anunciou a cooperação internacional. Nesta quarta-feira, 5, o país chegou à média móvel de 43.829,7 novos casos e 1.017,4 mortes no período de 24 horas.

A estimativa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenadora do estudo, é que as aplicações terminem em no máximo 20 dias em São Paulo. O Rio de Janeiro e Salvador, que também participam do estudo, não divulgaram os prazos, mas não deve demorar. O Rio de Janeiro, por exemplo, que teve a missão de de recrutar 2.000 voluntários, já tem 61% das aplicações realizadas pelo laboratório do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor).

Por último, há ainda um grupo de 1.000 pacientes em Salvador, na Bahia, também monitorados pelo Idor. Lá, 36% dos recrutados já receberam as aplicações. A região foi a última a entrar no circuito de testes, em 10 de julho. Dados dos voluntários paulistas revelam que a vacina não causa efeitos colaterais severos.

Houve apenas relato de incômodo no local da aplicação, dor de cabeça e quadros de febre de baixo a moderado (controlados com o medicamento paracetamol). Na universidade, o clima é de “otimismo” e “esperança”, como descrevem profissionais da entidade. Os resultados preliminares desta rodada de testes devem ser conhecidos a partir de setembro, diz o laboratório Astrazeneca.

Doses iniciais O Ministério da Saúde anunciou na sexta-feira, 31, a assinatura de um documento base de produção de 100,4 milhões de vacinas em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Astrazeneca. Há a previsão de que sejam investidos pelo menos 1,8 bilhão de reais no processo.

A maior parte (1,3 bilhão de reais) faz parte do acordo de encomenda tecnológica com o laboratório internacional. Outros 522,1 milhões serão utilizados para otimizar as estruturas de Bio-Manguinhos, laboratórios da Fiocruz responsáveis pela produção de imunobiológicos. O documento, cabe ressaltar, ainda não é o contrato nal de cooperação entre as partes. Este têm previsão de assinatura para o próximo dia 15.

Independente da comprovação da eficácia do fármaco, a Fiocruz receberá a partir de dezembro os lotes dos “ingredientes’, por assim dizer, necessários para a produção da vacina. Serão recebidos materiais suficientes para produzir 15 milhões de vacinas em dezembro deste ano e mais 15 milhões em janeiro de 2021.

Os outros 70 milhões de imunizantes devem ter o insumo enviado ao Brasil ao longo do primeiro semestre de 2021. A estimativa da entidade é de envolver todos os cerca de 1.700 funcionários de Bio-Manguinhos na produção da vacina contra o novo coronavírus.  Deste modo, a Fiocruz consegue manter ativa também a produção de outros imunizantes fundamentais para população brasileira, como o de febre amarela e sarampo.

Fonte: Portal VEJA

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })