Notícias do setor farmacêutico

Pílula anticoncepcional: da revolução à proteção da mulher

Criada nos anos 60, a pílula anticoncepcional foi o primeiro passo dado para a revolução e autonomia sexual feminina. Atualmente, além de contribuir para o tratamento e prevenção de doenças, o medicamento é um dos mais seguros métodos contraceptivos

32

Anticoncepcional – A primeira pílula anticoncepcional surgiu em 18 de agosto de 1960, há exatamente 60 anos, nos Estados Unidos. Aquele pequeno comprimido, segundo especialistas, revolucionou, desde então, a sexualidade feminina, do ponto de vista do controle e autonomia da mulher.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Isso porque a decisão do momento certo para se ter um filho, ou mesmo de manter relações sexuais sem risco de gravidez passou a ser de domínio das mulheres. Atualmente, além de prevenir a gestação indesejada, as pílulas podem contribuir para o tratamento de doenças.

“O efeito mais desejado da pílula é o de prevenção de uma gestação indesejada, devido a sua eficácia. As pílulas anticoncepcionais são muito seguras, tanto que são usadas por mais de 60% das mulheres no mundo. No entanto, a pílula pode ajudar, também, na regulação do ciclo menstrual, na diminuição do sangramento e das cólicas e no controle da TPM”, explica o presidente da Sogimig, Delzio Bicalho.

Bicalho pontua que, além do efeito contraceptivo, as pílulas anticoncepcionais podem ser usadas, com eficácia, para melhorar a pele e ajudar no tratamento de doenças, como ovário policístico e endometriose.

“Algumas trazem grandes vantagens para a pele, enquanto que, outras, podem ser benéficas para o tratamento dos ovários policísticos, que é quando o ovário fica cheio de cistos e a mulher apresenta manifestações androgênicas, ou seja, começa a ter pele oleosa, acne, aumento de peso e infertilidade. Em alguns casos de endometriose, ela pode ajudar suspendendo a menstruação e melhorando a dor.”

Por isso, o presidente da Sogimig destaca que, dependendo do objetivo da mulher, as indicações de uso podem variar, visto que as pílulas anticoncepcionais têm diferentes composições, que podem ser ajustadas em alguns casos e em outros não.

“Cada pílula tem uma função e um valor agregado a mais, que consiste na mudança de concentração de progestágeno presente na fórmula. Normalmente, o estrogênio é o mesmo, e o que varia é o progestágeno, que pode, por exemplo, dependendo da quantidade, melhorar a pele”, explica.

Justamente por isso, Bicalho elucida que o uso das pílulas anticoncepcionais não é ditado pela idade da mulher, ou seja, não existe uma idade padrão para que a administração seja iniciada.

Dessa forma, a mulher precisa delinear seu objetivo junto com seu médico ginecologista para, assim, saber se é o momento certo para fazer uso do medicamento ou não. E, também, se este será o método ideal.

“Como é um medicamento hormonal, a sua administração vai ser feita de acordo com a necessidade da mulher, o que pode ocorrer logo no início da vida menstrual ou mais tardiamente. Se ela tiver alguns problemas, como excesso de acne ou cólica, por exemplo, realmente o uso da pílula deverá ser inserido na vida da mulher. Além disso, a média de idade para início da vida sexual é em torno dos 15 anos, então por ser esse um dos métodos mais indicados para que a gravidez indesejada seja evitada, este é um bom momento também”, diz.

Riscos  

Frequentemente, comenta-se a possibilidade de que o uso de pílulas anticoncepcionais cause problemas graves de saúde, como trombose. No entanto, segundo Bicalho, esse risco existe em função da condição da saúde do organismo da mulher e não em razão do medicamento em si.

Por isso, o especialista alerta para que antes que a pílula seja inserida na vida da mulher, todos esses detalhes sejam ajustados com o ginecologista.

“As doenças tromboembólicas, que causam a trombose e a embolia, são as mais temidas pelo público feminino que administra anticoncepcional. Mas tudo isso precisa ser ajustado para cada paciente, após uma verificação da história familiar dessa mulher, porque se ela tem um fato genético e familiar, é obesasedentária, tabagista ou tem muitas varizes nas pernas, o risco de desenvolver trombose é maior.”

Então, a abordagem tem que ser feita de acordo com o paciente e, a partir disso, adaptada para outro método. “Pode-se, ainda, trabalhar na diminuição desses problemas na mulher para instituir a pílula”, comenta.

E quanto ao aumento de peso? De acordo com Bicalho, há, com frequência, relatos de mulheres que ganharam peso durante a administração do medicamento. Mas, conforme explica o presidente da Sogimig, a causa para os quilos a mais está na retenção de líquido, consequente da quantidade de progesterona na produção da pílula. Ainda, há algumas composições que podem alterar a pressão arterial, devido à concentração de estrogênio.
Outra dúvida recorrente é sobre a possibilidade de perda de eficácia ao longo dos anos, devido ao uso da mesma marca por muito tempo, o qu, segundo o especialista, não é verdade. “As pessoas podem mudar de pílula, pois, ao decorrer dos anos, novas fórmulas surgem, a fim de diminuir a quantidade de hormônios na composição. Mas, não há problema em tomar o mesmo medicamento por toda a vida, não altera na eficácia e nem se faz necessária uma mudança.”
Além disso, o presidente da Sogimig destaca que os benefícios da pílula anticoncepcional tendem a ser evidenciados ao longo dos anos, por conta da frequência de ingestão. “Se uma mulher usa a pílula durante 10 anos, por exemplo, ela tem uma prevenção importantíssima contra o câncer de ovário e do endométrio, e até mesmo do intestino. Se ela usar essa pílula por 20 anos, chega-se a uma proteção de 90% do câncer de ovário”, argumenta.
Quanto ao risco de infertilidade, Bicalho diz que a administração da pílula ao longo dos anos não altera a fertilidade da mulher. Portanto, mesmo que o medicamento seja administrado por anos, os efeitos não afetarão no momento em que a mulher decidir engravidar.

O que corta o efeito?

As pílulas anticoncepcionais podem ser administradas ao longo do mês de três formas: ingestão do medicamento por 21 dias, com pausa de sete; 24 dias ministrando o medicamento e quatro sem; e uso contínuo, sem pausas.

“Tem ainda a pílula do dia seguinte, que é uma dose alta de estrogênio e progesterona, que desprepara o útero para receber o embrião fecundado, altera a motilidade da trompa, ou seja, é outro tipo de pílula, usado somente em momentos de emergência contraceptiva, para quando a mulher tiver uma relação desprotegida e precisar recorrer a essa pílula, que pode ser tomada até 72 horas depois da relação sexual”, explica Bicalho.

Mas, segundo o especialista, mesmo com eficácia comprovada, a pílula anticoncepcional, ao ser administrada ao mesmo tempo que demais medicamentos, pode ter seu efeito cortado. “Alguns anticonvulsivantes e alguns antibióticos podem fazer com que se perca a eficácia do método. Então, é importante sempre consultar o ginecologista se for necessário fazer uso de substâncias como essas. Em casos de pacientes com epilepsia, é importante que o melhor método seja escolhido em parceria com um neurologista.”

COVID-19

Em meio à pandemia causa pelo novo coronavírus, o presidente da Sogimig explica que o uso da pílula anticoncepcional não apresenta nenhum perigo ao organismo humano e/ou para um aumento do risco de contágio da COVID-19. Portanto, Bicalho pontua que a administração do remédio deve ser mantida neste período.
“Não há nenhuma alteração quanto a eficácia da pílula. Há, inclusive, uma incidência menor em mulheres, porque o estrogênio pode ter um efeito protetor, mas nada comprovado. Aliás, a gente aconselha continuar com o uso da pílula, porque como as pessoas estão passando mais tempo em casa, há, também, um aumento da atividade sexual e um aumento da chance de gravidez. Então, a proteção contra a gestação indesejada se faz ainda mais necessária nesta pandemia.”

A história

Idealizado pela feminista Margaret Sanger e pela milionária Katherine McComick, a origem da pílula anticoncepcional teve início 10 anos antes de seu lançamento, com o cientista norte-americano Gregory Pincus. Lançada nos Estados Unidos em 1960, a pílula chegou ao Brasil dois anos depois de seu surgimento.

A partir disso, houve-se uma revolução sexual, tanto na liberdade feminina, de se planejar o momento certo para engravidar, como, também, nos próprios métodos de prevenção.

“Antes disso, era usado o coito interrompido, por exemplo. Depois, surgiram alguns métodos de barreira, que consistiam em colocar algodão e plantas no fundo da vagina, logo que foi percebido que o sêmen poderia engravidar.

E, aos poucos, foram surgindo outros métodos, como os preservativos, feitos de tripas de animal, que só depois passaram a ser feitos de borracha. “Por isso se comemora o aniversário de 60 anos das pílulas anticoncepcionais, que é muito recente e tem que ser muito comemorado e lembrado, principalmente pela autonomia e proteção da mulher”, diz Bicalho.

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })