Notícias do setor farmacêutico

O uso adequado de vitamina D em tempos de pandemia

Com o novo coronavírus, suplementação de vitamina D chama a atenção de pacientes oncológicos e mesmo quem não tem problemas de saúde. Mas nem todos podem usar

37

suplementação de vitaminas, em especial de vitamina D,  é alvo constante de dúvidas por parte dos pacientes oncológicos. Além disto, até pessoas sem outros problemas de saúde estão dando mais atenção para este tema durante a pandemia de COVID-19.

Para esclarecer alguns pontos a respeito, convidei esta semana a Dra. Laís Brasil, médica credenciada à Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

O que é a Vitamina D e para que serve?

A vitamina D é um tipo de hormônio cuja principal fonte de produção é pela nossa pele, a partir da exposição solar aos raios ultravioletas ou pode ser adquirida pela dieta (em menor quantidade) através dos óleos dos peixes: salmão e bacalhau.

Sua forma ativa no corpo é importante para o transporte e metabolização de cálcio e fósforo que participam da mineralização adequada do osso. Sua deficiência grave causa raquitismo e osteomalácia, doenças osteometabólicas.

Mas, quando a deficiência é subclínica (não tem sintomas claros) está mais associada à osteoporose, com aumento do risco de quedas e fraturas, que se tornam mais graves em idosos.

Quais são os valores ótimos de Vitamina D?

Os especialistas nesse assunto concordam que níveis inferiores a 12ng/mL são deficientes e prejudiciais para a saúde esquelética. Níveis entre 12 e 20ng/mL são insuficientes e precisam de reposição, individualizando cada caso. Níveis entre 20 e 30ng/mL são ditos suficientes para a grande maioria da população sem doenças ósseas relacionadas. E o risco de toxicidade pelo excesso de vitamina D ocorre por níveis acima de 100ng/mL.

Sabe-se que altas doses de vitamina D são prejudiciais ao esqueleto e pioram a mineralização óssea, aumentando o risco de quedas e fraturas. Além disso, quando em excesso, a Vitamina D não é eliminada pelo corpo, gerando um aumento de cálcio e suas consequências clínicas, como crises convulsivas, insuficiência renal, cálculo renal, arritmias cardíacas e até a morte.

Quem deve repor Vitamina D?

Quem tem deficiência de vitamina D com osteoporose, é gestante ou está amamentando, e tem história familiar de osteoporose tem a recomendação de reposição de vitamina D para manter níveis próximos e acima de 30ng/mL. Para o restante das pessoas, recomenda-se manter níveis próximos e acima de 20ng/mL.

Evidências clínicas tem a Vitamina D como droga complementar para o tratamento da osteoporose, com benefícios na redução do número de fraturas e melhora da qualidade de vida.

Vitamina D previne ou trata algum câncer?

A reposição de vitamina D também tem sido estudada com possíveis efeitos antitumorais a partir da observação de maior incidência de alguns cânceres (próstata, mama e colo) com o grau de deficiência dessa vitamina, mas ainda não há evidências de sua real aplicação clínica e não tem sido utilizada para esse fim.

E a Vitamina D e a pandemia da COVID-19?

A preocupação que a COVID-19 gera devido às consequências mais graves em alguns grupos de riscos pode levar as pessoas a adotarem medidas equivocadas e sem a devida orientação médica.

Muitas vezes, tais informações são disseminadas pelas redes sociais ou por pessoas não habilitadas, gerando malefícios à saúde. É possível encontrar níveis um pouco mais baixos de Vitamina D em pacientes com formas graves da Covid-19, já que a maioria deles tem comorbidades (por exemplo, doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes).

Mas essas doenças são primariamente associadas à deficiência de vitamina D, independentemente do coronavírus. Nenhum estudo clínico randomizado conseguiu demonstrar qualquer benefício do uso de vitamina D para prevenção ou tratamento da COVID-19.

Portanto, a SBEM recomenda a população contra o uso de altas doses de Vitamina D como estratégia de otimização de imunidade frente ao novo coronavírus. Dessa forma, a reposição de Vitamina D só deve ser feita quando existe a real necessidade para o tratamento de osteoporose, raquitismo e osteomalácia, ou quando há deficiência; e devendo seus níveis serem acompanhados sob a orientação médica.

Fonte: Saúde Plena

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })