Notícias do setor farmacêutico

Ministério da Saúde compra 46 milhões de doses da Coronavac

44

Coronavac – Em reunião com governadores, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, assinou protocolo de intenção para adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina chinesa desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. As doses serão compradas após aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo o Palácio dos Bandeirantes — sede do governo de São Paulo, estado onde fica o Butantan —, a expectativa é adquirir o produto até o fim do ano e iniciar a vacinação nacional em janeiro.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

A decisão encerra especulações indicando que poderia haver uma resistência do governo federal em comprar as doses da vacina por causa de divergências entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador paulista, João Doria (PSDB).

O potencial imunizante da vacina está em fase final de testes, mas se mostrou seguro nos procedimentos realizados desde o fim de julho.

Somadas, CoronaVac, AstraZeneca e Covax totalizam 186 milhões de doses a serem disponibilizadas pelo governo federal no primeiro semestre do próximo ano. As vacinas desenvolvidas por Butantan-Sinovac e AstraZeneca estão em etapas avançadas de produção, ambas em fase III. Nessa etapa, é comparado o número de pessoas vacinadas com igual quantidade de pessoas que não receberam o imunizante para avaliar se há redução real da doença.

Questionado sobre o tempo que deve levar para a conclusão dessa etapa de testes, o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 do Governo de São Paulo, João Gabbardo dos Reis, explicou, em coletiva de imprensa na segunda-feira, que a etapa de testes na qual se encontra a CoronaVac não tem como ser acelerada, pois é preciso atingir o número mínimo de 61 voluntários infectados no estudo duplo-cego para se obter os resultados.

“O estudo deseja aumentar a velocidade, no entanto, a transmissibilidade da doença entre os trabalhadores da saúde tem diminuído devido às medidas eficazes que foram colocadas. Isso tem de ser entendido por todos, temos de aguardar a transmissibilidade da doença para ter o número mínimo de transmissibilidade”, pontuou.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, esclareceu que, no momento, os voluntários habilitados a participar são os profissionais de saúde acima de 18 anos que trabalhem em meio à covid-19, em contato direto com pacientes infectados.

Distrito Federal

O vice-governador do Distrito Federal, Paco Britto, participou da reunião representando o Executivo local. Ele parabenizou Pazuello. “Um dia muito importante no calendário de 2020 que reacende a esperança em todo o país e, em especial, nos moradores de Brasília, que esperam, ansiosamente, pela vacina”, afirmou Britto à Agência Brasília.

Também participante da reunião, o secretário de Saúde, Osnei Okumoto frisou: “O mundo todo espera pela vacina. E ela virá como um presente de Natal para o mundo e, em especial, para Brasília. Mas, até lá, vamos continuar enfrentando a pandemia com seriedade e responsabilidade”.

O governador João Doria, por sua vez, se manifestou pelas redes sociais: “Venceu o Brasil”, escreveu. A publicação vem acompanhada de um vídeo, em que Pazuello comenta sobre a aquisição. Em outra postagem, o governador de São Paulo destaca: “Meus cumprimentos ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pela aprovação da compra da vacina do Butantan contra a Covid-19. Um gesto correto para salvar vidas”.

Em vídeo, ele disse, também, que a “aprovação feita foi uma vitória da vida, da solidariedade”. “Parabéns pela atitude, pelo posicionamento. O Brasil precisa disso, de paz, de união, integração e a vacina para salvar os brasileiros”, concluiu.

Na segunda-feira, Bolsonaro criticou Doria sobre a declaração acerca da obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19 no estado. O presidente afirmou que a Constituição não prevê tal medida e que cabe a cada brasileiro decidir. O chefe do Executivo insistiu: “O meu ministro da Saúde já disse que não será obrigatória essa vacina e ponto final”, disparou.

Bolsonaro disse que Doria “está pensando em tudo, menos na saúde e na vida”. Ele acusou o tucano de levar terror à população. Por sua vez, o governador afirmou que “o Brasil precisa de paz, amor e vacina para salvar os brasileiros”. “Entendo que a vacina deve ser aplicada a todos os brasileiros, para salvar a vida de todos”.

Doria desembarcará em Brasília, hoje. Ele deve ir ao Congresso, acompanhado do secretário de Estado de Saúde, Jean Gorinchteyn; do secretário especial do Governo de São Paulo em Brasília, Antonio Imbassahy; e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. Anvisa e Supremo Tribunal Federal também estão na lista de visitas.

Fonte: Correio Braziliense

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/10/21/governo-deve-entender-que-remedio-e-investimento-nao-despesa-diz-presidente-do-sindusfarma/

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })