Notícias do setor farmacêutico

Procura por álcool em gel e máscaras segue intensa nas farmácias de Porto Alegre

139

O álcool em gel e as máscaras de proteção seguem incluídas nos itens de compras dos consumidores nas farmácias de Porto Alegre. Os funcionários de redes como Associadas, São João e Panvel, no Centro Histórico, destacaram que além da aquisição de medicamentos ou itens de higiene, o público acaba por adquirir os dois produtos quando fazem as compras nos estabelecimentos.

Na manhã desta quinta-feira, na Farmácias Associadas da rua dos Andradas, a aposentada Marisa Pereira, moradora da rua Riachuelo, comprou duas embalagens de álcool em gel e máscaras. “Tenho que usar ônibus e entrar em prédios públicos, e nestes locais o uso da máscara é obrigatório. Gosto de usar álcool para higienizar as mãos”, destacou.

Na farmácia Associadas, da rua dos Andradas, os funcionários disseram que em razão da pandemia da Covid-19, a procura pelo álcool em gel aumentou cerca de 90% no meses de março, abril, maio e junho. “Tanto o álcool em gel quanto a máscara são produtos que se incorporaram ao cotidiano das pessoas”, explicou uma funcionária da farmácia. No começo da pandemia da Covid-19, o produto não estava sendo encontrado pelos consumidores nos estabelecimentos.

As três farmácias comercializam uma média de 10 a 15 frascos de álcool em gel por dia. Os preços variam de R$ 8,99 a R$ 17. Na São João, uma atendente destacou que passou aquela correria atrás do produto, principalmente no começo da pandemia em março do ano passado.

Autorização da Anvisa

Em razão da procura pela população do álcool em gel, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou no final do mês de março, as farmácias de manipulação a prepararem e venderem álcool gel de forma direta para o público.

Na época, com a medida, a agência pretendeu ampliar o acesso da população aos produtos, considerando o alto número de farmácias de manipulação em todo o Brasil. A autorização fez parte das ações de proteção para o enfrentamento da emergência de saúde em decorrência da pandemia do coronavírus.

Descarte irregular

As máscaras usadas para evitar o avanço da Covid-19 são comercializadas em farmácias e também por ambulantes no Centro Histórico de Porto Alegre por preços que variam de R$ 5 a R$ 10.

O que acaba acontecendo é que muitas pessoas seguem descartando irregularmente os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) nas ruas e áreas de lazer de Porto Alegre.

O protetor facial é encontrado em diversas vias da Capital e os profissionais de saúde dos principais hospitais como Clínicas, Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, São Lucas da Pucrs e Grupo Hospitalar Conceição (GHC) reclamam também que o EPI é descartado de forma incorreta próximo das instituições de saúde.

Fonte: Jornal Correio do Povo – RS

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.