fbpx

A quarta revolução industrial no Brasil

Nas linhas de produção, sensores fiscalizam em tempo real o desempenho das máquinas. Na área de montagem, peças marcadas a laser com códigos de barras carregam dados que, interpretados por leitores de códigos de alta performance, contam de onde vieram, do que são feitas e para onde vão. Enquanto isso, scanners de área e cortinas de segurança monitoram a produção e emitem sinais de alerta quando há risco de acidentes para os operadores.

Desde que as fábricas começaram a incorporar meios de produção baseados em sensores, na década de 1950, esses equipamentos passaram por profundas transformações. Hoje, são considerados a base para a evolução da Indústria 4.0, responsáveis por gerenciar todo o processo de forma automática e online: fazer a contagem e endereçamento de materiais, controlar o maquinário para segurança dos operadores, medir a pressão, a temperatura, além de diversas outras utilidades.

O mercado brasileiro vem mostrando apetite para se aproximar dessa realidade. Pesquisa recente da Confederação Nacional da Indústria apontou que 27% das indústrias utiliza automação com sensores. Parece modesto, mas revela maior interesse do empresariado por tecnologia industrial, sobretudo nos setores automotivo, farmacêutico e de alimentos. Com a economia instável, empresários perceberam que investir para produzir mais com menos é regra básica para garantir competitividade.

A mão de obra nacional também se valorizou com operadores cada vez mais multidisciplinares, o que ajuda a democratizar o acesso. À medida que a indústria descobre novas aplicações para os produtos, os preços diminuem e tornam o mercado mais convidativo para novos players.

Em um passado recente, leitores e sensores eram privilégio restrito a grandes empresas. Hoje, a nota de corte para implementar essas tecnologias está no tipo de produção e não mais nos preços. Qualquer empresa automatizada pode utilizar os equipamentos, seja qual for o porte. Dada a diversidade dos consumidores, o Brasil é um dos países mais avançados no uso da tecnologia. A evolução natural, que começou com máquinas a vapor, continua com aquelas conectadas virtualmente, sendo fácil afirmar: o impacto da Indústria 4.0 é um caminho sem volta.

Fonte: DCI

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/25/como-a-4a-revolucao-industrial-esta-impactando-a-industria-farmaceutica/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra