fbpx
O maior canal de informação do setor

A vacina obrigatória e a certeza dos que não sabem, por Paula Schmitt

No dia 2 de setembro, um jornalista da GloboNews revelou orgulho por algo que causaria vergonha em pessoas verdadeiramente pensantes. Com a soberba de quem ignora que é ignorante, ele declarou que “se recusava a discutir” sobre a declaração de Bolsonaro acerca da não-obrigatoriedade da vacina contra a covid-19. Críticas, sim; debate, não. No Brasil de hoje é assim: tem assunto que vira manchete mas que infelizmente nunca vira discussão. O debate, acreditam alguns, é desnecessário –basta saber quem defende uma ideia, que a partir dali você já sabe de que lado vai estar, independente do que a ideia diz. Mas quando a imprensa respeitável se exime de explicar, dialogar e aceitar o contraditório, ela entrega o assunto de bandeja nas mãos dos conspiracionistas. E eles, infelizmente, estão mais bem informados do que muita gente que se fia somente no consumo de notícias “oficiais”.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Receba a newsletter do Poder360

Para escrever esta segunda parte da série sobre conspirações, eu li dezenas de artigos e assisti a incontáveis vídeos sobre o Q-Anon, o grupo conspiratório que acredita em várias coisas –algumas completamente descabidas, outras bastante razoáveis, mas tudo entremeado de imprecisão e generalidades porque assim fica impossível provar que estão errados. O próprio slogan que eles usam é uma pequena obra-prima do engodo: Trust the Plan –confie no plano. Ou seja, se não aconteceu, é porque não era o plano. Cabe tudo nisso aí, e teoria da conspiração boba porém eficiente é assim mesmo: deixa margem para todas as possibilidades e ajustes, e assim todas as previsões se confirmam, porque se não aconteceu então não foi de fato previsto. Mais do que isso: pelo fato de o misterioso Q ser anônimo, todo erro de adivinhação é facilmente justificável: se a previsão não se confirmou, quem previu não era o Q, mas um impostor. A coisa é realmente assustadora na maneira como terreno é preparado para futuras confirmações, e como esse truque lógico engana os menos céticos. Pretendo me aprofundar nessas artimanhas em outras colunas desta série. Mas antes de continuar, queria informar que não caí de pára-quedas nesse assunto, ao contrário: o ceticismo para mim é um estilo de vida, e já me interesso formalmente por ele há tempos.

Já fiz doações para sociedades de ceticismo com parte pequena de salarinho bem merreca por princípio, e entrevistei em Nova York (sem nem ter onde publicar, por pura curiosidade) o conhecido cético Michael Shermer, fundador da Skeptics Society e editor chefe da revista Skeptic. A entrevista foi postada num blog que criei e já abandonei, mas ainda está online.

Hoje vou tratar de apenas um dos preceitos do Q-Anon, porque ele se faz premente: o ceticismo sobre a indústria farmacêutica. Isso é tema urgente porque a imprensa em geral parece estar confundindo vacinação infantil –estudada, testada e aprovada pelo maior juiz que existe, o tempo– com a vacina para a covid-19. Vi ao menos 3 publicações diferentes comparando o suposto “medo” de uma vacina da covid-19 ao movimento antivaxxer. Mas qualquer pessoa de bom-senso tem o direito, ou mesmo a obrigação intelectual, de desconfiar de uma vacina testada e aprovada às pressas. E quem sugere que esse medo tem respaldo lógico não sou eu –é a Comissão Europeia, o Financial Times, e o próprio lobby dos fabricantes de vacina na Europa.

A coluna da semana passada abordou alguns erros farmacêuticos que causaram morte. A de hoje, contudo, vai além. Eu vou tratar de atrocidades que não aconteceram por engano, e que, portanto, não podem se valer de desculpas como erro humano, ganância, pressa ou incompetência. Eu vou mostrar que experimentos clandestinos em seres-humanos –sem consentimento ou conhecimento das cobaias, com resultados catastróficos– vêm acontecendo há décadas, centenas deles com a anuência e às vezes o financiamento e gerenciamento de governos nacionais, principalmente o governo norte-americano. Ao final desse artigo, talvez o medo de uma vacina mundial obrigatória para adultos pareça algo menos absurdo, e quem sabe fique também mais fácil entender a pertinência do que disse o escritor William Burroughs: “Paranóico é alguém que sabe o que tá acontecendo”. Considere essa citação o meu disclaimer. Você foi avisado.

A história de experimentos clandestinos em seres-humanos é longa, e recente. Já na década de 1840, o famoso “pai da ginecologia”, J. Marion Sims, fez operações sem anestesia em escravas negras. Uma delas foi operada 30 vezes, sofrendo dores análogas às piores torturas. Sims depois abriu seu próprio hospital, onde suas clientes brancas eram operadas –com anestesia.

Por 4 décadas, a partir de 1913, na prisão de San Quentin, na Califórnia, o cirurgião-chefe Leo Stanley conduziu experimentos que incluíam o transplante de testículos de prisioneiros executados em prisioneiros vivos. Testículos de bode e porco também foram usados nos transplantes. A inoculação de gonorréia, sífilis e outras doenças em crianças –no corpo, rosto, olhos– também foram feitas por pediatras respeitados. Aqui estão algumas páginas de livros que tratam do assunto, cujos títulos eu traduzo: Conduta Responsável de Pesquisa, Submetido à Ciência: Experimentos Humanos na América Antes da Segunda Guerra Mundial, e Crianças Como Objeto de Pesquisa.

Não foram apenas médicos tradicionais que fizeram experimentos antiéticos e criminosos. Apesar de muitos conhecerem o nome do eugenista e monstro Josef Mengele, o Exército norte-americano tem histórico invejável de atrocidades médicas, e os menos aberrantes deles são a inoculação de beriberi, dengue e a peste negra em prisoneiros de guerra e até em cidadãos norte-americanos.

Neste artigo co-assinado pelo impecável Alexander Cockburn, o autor conta como a Marinha norte-americana espalhou uma toxina em San Francisco na década de 1950 causando uma pandemia de pneumonia e ao menos uma morte. O artigo também menciona o médico Cornelius Rhoads, que conduziu o que ficou conhecido como Puerto Rico Cancer Experiments, em que pessoas eram secretamente infectadas com células cancerosas. E veja só: Rhoads era funcionário do Rockefeller Institute for Medical Investigations. Os Rockefellers são um dos maiores alvos do Q-Anon. Depois que deixou o instituto, Rhoads não foi julgado –ao contrário, ele foi premiado com o posto de chefe da divisão de armas biológicas do Exército norte-americano, e também membro da Comissão de Energia Atômica, onde “supervisionou experimentos radioativos em milhares de cidadãos norte-americanos”. Outro funcionário do Instituto Rockefeller, Dr Hideyo Noguchi, injetou 146 pacientes de hospital, incluindo crianças, com sífilis. No começo do século 20, crianças em um orfanato na Filadélfia ficaram cegas depois que foram inoculadas com o bacilo da tuberculose. No estudo, os pesquisadores descrevem as crianças como “material usado”.

O jornalista Reinaldo Azevedo, assim como outras pessoas com ainda menos conhecimento do que ele, adoram dizer que conspirações que duram muito tempo e que envolvem muita gente são simplesmente impossíveis de acontecer, porque nenhum segredo sobreviveria a tanta chance de ser exposto. Isso é um atestado de ignorância quase inacreditável, porque a História já refutou essa afirmação várias vezes. Em 2010, por exemplo, veio à tona depois de décadas o experimento conduzido pelo governo norte-americano em que mais de 1.000 guatemaltecos, incluindo órfãos, foram infectados com sífilis e outras doenças sexualmente transmissíveis. O governo norte-americano foi auxiliado nessa atrocidade por médicos do governo da Guatemala e do então chamado Pan American Health Sanitary Bureau, uma divisão da Organização Mundial de Saúde.

Outro caso inacreditável é o MKUltra, um experimento da CIA iniciado em 1953 com o auxílio de dezenas de agências do governo norte-americano e instituições médicas e universidades, e que durou duas décadas sem que ninguém do grande público soubesse. Nesse experimento pessoas eram drogadas ilegalmente com ácido lisérgico e outras substâncias alucinógenas para que fossem testadas a manipulação da mente, a hipnose, a perda da memória, a lavagem cerebral e a criação de falsas memórias e personalidades. É coisa de Manchurian Candidate.

Vou traduzir aqui uma passagem do livro Whiteout, do já mencionado Alexander Cockburn, sobre George Hunter White, chefe de uma operação do MKUltra chamada de Clímax da Meia-Noite: “[Atrás de um espelho] White sentava no lavatório, martini na mão, e observava prostitutas dando drogas produzidas pela CIA aos seus clientes, que não suspeitavam de nada. [Muitas das prostitutas eram] viciadas em heroína, e eram remuneradas com drogas para atrair seus clientes às sessões de drogas e sexo financiadas pela CIA. As mulheres, conhecidas pela polícia de San Francisco como as Garotas do George, tinham proteção contra a prisão”. White depois escreveu: “Era divertido, divertido, divertido. Onde mais um garoto viril norte-americano poderia mentir, matar, trair, roubar, estuprar e pilhar com a aprovação e comando do Mais-Alto?”

Entre as desavisadas vítimas do MKUltra, muitos morreram. Outros cometeram suicídio. Vários ficaram loucos. Um desses casos inspirou o respeitado documentarista Errol Morris (do espetacular documentário The Fog of War, sobre o coronel Robert McNamara) a fazer uma série de ficção (Wormwood) baseada no suposto suicídio de Frank Olsen, um cientista que trabalhou para o governo norte-americano em pesquisas de guerra biológica.

Para enfatizar como é possível sim que segredos horríveis sejam guardados por anos, vai aqui um exemplo recente: Foi só em 2018, anteontem, que veio à tona uma parte peculiar dos experimentos do MKUltra: a inserção de eletrodos em cachorros que passaram a ser comandados por controle remoto. Ao menos 6 cachorros foram controlados com sucesso, como mostra esse artigo da Newsweek.

Em 1963, 22 pacientes idosos no Jewish Chronic Disease Hospital, no Brooklyn, foram injetados com células ativas cancerosas pelo médico Chester M. Southam, que já tinha feito o mesmo com prisioneiros. Depois de um tempo de castigo, Southam se tornou o vice-presidente da Sociedade Norte-Americana do Câncer.

Em 1966, o Exército norte-americano encheu os túneis do metrô de Nova York com a bactéria Bacillus globigii. O nome do experimento era “Um Estudo da Vulnerabilidade de Passageiros do Metrô de Nova York a Um Ataque Secreto Com Agentes Biológicos”.

Isso tudo sem falar nos vários exemplos de negligência monstruosa, como o caso conhecido eufemisticamente por Incidente da Cutter, um laboratório que seria comprado décadas depois pela Bayer. O que aconteceu foi que a Cutter distribuiu uma vacina contra a pólio, mas 120.000 doses tinham o vírus ativo da doença (em vez de inativo) e 40.000 crianças contraíram pólio abortiva. O mais triste: os responsáveis tinham sido avisados por uma agente de fiscalização de saúde, Bernice Eddy, que alguns dos macacos que tomaram a vacina ficaram paralisados. Todos escolheram ignorar.

Os exemplos desse tipo de “azar” são intermináveis, e vários livros tratam de uma forma ou de outra sobre esse assunto, inclusive Disaster Capitalism, de Naomi Klein; Rogue State, de William Blum; The Sword and The Dollar, de Michael Parenti.

Para quem tem pressa, mas não dispensa boas fontes e documentação extensa, inclusive com imagens de páginas específicas dos livros mencionados, recomendo este verbete da Wikipedia sobre “Unethical Human Experimentation in The United States”. Este episódio do Democracy Now também mostra como “o governo dos Estados Unidos expôs milhares de norte-americanos a bactérias letais para testar meios de guerra biológica”.

Tudo isso para dizer que quem tem informação tem medo, ou no mínimo tem cautela.

Para quem ainda acha que uma eventual vacina contra a covid-19 deva ser obrigatória –e a maioria absoluta da imprensa comercial no Brasil parece acreditar que deve ser– vale ler aqui o que nem todos os jornalistas entenderam: a lei sancionada por Bolsonaro em fevereiro não obriga o uso da vacina, mas apenas permite a sua obrigação. Outras nuances, completamente ausentes de grande parte da cobertura desse assunto, também podem ser encontradas nesse artigo de clareza e inteligência que estão ficando cada vez mais raros.

Só para dar uma ideia da incompetência (na melhor das hipóteses) da nossa imprensa: neste artigo aqui, o governador João Dória consegue se “contrapor” a Bolsonaro dizendo o contrário do presidente, para alívio da imprensa partidária. Só que não. “Quero respeitosamente discordar dessa posição”, Doria diz. “Ao meu ver, a vacina deveria sim ser obrigatória para todos os brasileiros. A vacina tem que ser uma decisão pessoal de cada um, mas uma obrigação, uma determinação do Estado“.

Que?

“Deveria ser obrigatória” ou “tem que ser decisão pessoal”? Como pode ele se desdizer no mesmo fôlego e isso não ser manchete? Como pode contradição tão explícita passar incólume sem qualquer questionamento ou uma mera menção?

Para quem teme que esses exemplos que eu dei sejam indicação do que pode acontecer, eu discordo. Acho que, de certa forma, o risco agora é muito maior. Porque desta vez nosso maior vigia, o maior guardião de uma democracia –a imprensa livre– é menos livre que antes. Nunca antes a imprensa foi tão cativa e comprometida, e não apenas de interesses econômicos. Desta vez o comprometimento é com um dos lados do binarismo artificial do qual nos fazemos reféns, o que só intensifica o binarismo e reduz nossas opções. E incapacita a independência da imprensa.

E para quem não duvida nem da possibilidade de riscos técnicos, aqui está o próprio lobby das vacinas na Europa dizendo que os riscos são “inevitáveis”. Essa história foi publicada no Financial Times, que teve acesso a um memorando da associação de fabricantes de vacinas. Traduzo aqui parte do artigo:

“’A velocidade e escala de desenvolvimento [da vacina] significa que é impossível gerar a mesma quantidade de evidência que normalmente estaria disponível através de extensos testes clínicos e a experiência acumulada de agentes de saúde,’ diz um memorando que circulou entre membros do Vaccines Europe, uma divisão da Federação Europeia de Associações e Indústrias Farmacêuticas. O documento diz que isso cria riscos ‘inevitáveis’. Por essa razão, Vaccines Europe disse em seu memorando que está buscando um ‘sistema de compensação completo de não-culpa e não-adversariedade, e uma isenção de responsabilidade civil”.

E adivinha o que a Comissão Europeia respondeu quando questionada pelo FT: Que ela iria “fazer provisões para os 27 membros da UE indenizar empresas de vacinas por ‘certas responsabilidades civis’ através de acordos adiantados de compra. A Comissão Europeia disse que estava fazendo isso “para compensar os altos riscos aceitos pelos fabricantes”.

Para finalmente finalizar, queria mostrar como a imprensa partidária e acrítica acaba fazendo o jogo das piores pessoas e instituições da sociedade: ao desmerecer todo questionamento como sendo teoria da conspiração, ou desmerecer argumentos válidos apenas por serem defendidos por conspiracionistas, essa imprensa também desmerece questionamentos importantes, cruciais para uma sociedade democrática. Comparar dúvidas sobre uma vacina da covid-19 com o movimento antivacina é, no mínimo, coisa de jornalista preguiçoso. Eu vi um cara comparar com quem acredita na terra plana. Isso não é sério. Mas pior que tudo isso, tem outra coisa que essa turma está fazendo, mas não percebe: ela virou presa fácil de manipulação. Sim, é isso mesmo. Com essa oposição a priori e irreversível, a mídia nunca foi tão manipulável, no sentido mais exato da palavra. Gado, afinal, não é só aquele que faz tudo o que seu mestre mandar. Aquele que faz tudo ao contrário é também ele mesmo gado, porque seu comportamento e opiniões são igualmente previsíveis –e igualmente programáveis.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/09/04/drogaria-minas-brasil-cresce-18-com-presenca-multicanal/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra