O maior canal de informação do setor

‘Alvejante’ para tratar crianças com autismo na mira da Anvisa

697

‘Alvejante’ para tratar crianças com autismo na mira da Anvisa. Uma solução com supostas propriedades terapêuticas conhecida pelas siglas “MMS” e “CDS” se tornou alvo de ações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no final de abril após alertas de que o produto, cuja venda é proibida desde junho de 2018, ainda pode ser encontrado em sites de venda. Trata-se de uma mistura de clorito de sódio e ácido que resulta em dióxido de cloro — um alvejante usado na indústria têxtil, na fabricação de produtos de limpeza e no tratamento de água.

Estimuladas por depoimentos em redes sociais, textos de autores sem respaldo científico e recomendações de médicos especializados em práticas não reconhecidas pelo CFM (Conselho Federal de Medicina), há anos pacientes têm procurado o produto para consumi-lo como remédio.

A solução é vendida como tratamento para uma extensa lista de doenças, que inclui aids e câncer — daí o nome MMS, que é a sigla para “solução mineral milagrosa” (“miracle mineral solution, em inglês”). No entanto, de acordo com a Anvisa, o dióxido de cloro não tem aprovação como medicamento em nenhum lugar do mundo e sua ingestão traz riscos imediatos e a longo prazo para a saúde.

VÍTIMAS PREFERENCIAIS

Crianças com autismo se tornaram vítimas preferenciais com a publicação de um livro, em 2013, de uma escritora norte-americana chamada Kerri Rivera, que defendeu a utilização do dióxido de cloro para tratar sintomas do transtorno.

Vendedores recomendam “protocolos” para a utilização, que pode ser via oral ou anal. A promessa é promover uma espécie de “desintoxicação” de parasitas intestinais não identificados em exames, que seriam as responsáveis pelos sintomas. “Não existe nenhuma evidência científica dessas teorias”, alerta o neuropediatra Sérgio Antoniuk, professor do departamento de pediatria da UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Segundo o médico, além de não haver qualquer indício de efetividade da substância – e dos princípios em que o falso tratamento se baseia não fazerem “o menor sentido” —, o uso pode ser perigoso. “Ele causa efeitos colaterais que podem ser graves. Pode haver efeitos gástricos como vômito e diarreia; irrita as mucosas do estômago e do intestino, e pode causar úlceras. É uma situação preocupante, com risco de vida”, alerta.

Nos Estados Unidos, a FDA (Food and Drug Administration), a agência federal de controle de alimentos e remédios do país, recomenda pelo menos desde 2010 que consumidores que têm MMS em casa parem o uso imediatamente e joguem a substância fora. A agência recebeu relatos de náuseas, vômito e pressão baixa associada a desidratação.

As substâncias utilizadas para a produção da solução ainda são encontradas com facilidade nos sites de venda pela internet. Isso apesar da ação da Anvisa — que firmou uma parceria com um dos principais sites para facilitar a retirada dos anúncios do ar. Além de fiscalizar e remover os produtos, a agência busca a responsabilização dos vendedores. A venda é infração sanitária, sujeita a multa, e crime contra a saúde pública. Vigilâncias sanitárias dos Estados e municípios foram alertadas, segundo o órgão.

Com a derrubada de anúncios com o nome “Kit MMS”, os vendedores passaram a anunciar os produtos com os nomes de seus compostos ou como “purificadores de água”.

‘HÁ MUITO CHARLATANISMO’

A gerente de Fiscalização da Anvisa, Andrea Geyer, lembra que a agência orienta a população a não usar tratamentos que não sejam aprovados e não tenham segurança e eficácia comprovadas. Segundo a farmacêutica, o dióxido de cloro é uma mistura que precisa ser manipulada com EPI (Equipamento de Proteção Individual) — um indício dos riscos que a ingestão representa para a saúde.

Na percepção de Geyer, a circulação de informações acerca de tratamentos milagrosos como o MMS ocorre “em ondas”. “Há o momento em que ocorre a divulgação e várias pessoas começam a oferecer a substância. A gente divulga nota, esclarece a população e retira os anúncios, e ela para por um tempo. Mas, de repente, volta”, relata. “No momento, provavelmente vivemos uma dessas ondas.”

O neuropediatra Sérgio Antoniuk conta que vem sendo questionado com mais frequência a respeito do MMS por famílias de crianças com autismo. “É uma pena, porque os pais de crianças com autismo são muito vulneráveis, e há muito charlatanismo”, conta.

Esta também é a percepção da psicóloga Maria Helena Keinert. “Houve mães que vieram me perguntar sobre o produto, e a nossa colocação é sempre a de que não é um produto aprovado e, como tudo que não é aprovado, é contraindicado”, conta.

“O que acontece é que os pais, depois de receberem o diagnóstico, vão atrás de tudo o que se diga favorável a uma cura. Eles se tornam muito suscetíveis a esse tipo de colocação, de solução mágica, porque estão buscando uma luz no fim do túnel”, explica, ressaltando que o autismo tem tratamentos para seus sintomas, mas não tem cura. “Infelizmente, pessoas mal-intencionadas se aproveitam disso oferecendo tratamentos que ‘curam’ ou trazem resultados rápidos, imediatos, eficientes”, observa a especialista, que é diretora da clínica Self Center, em Curitiba

Em círculos que cultuam o MMS é comum, também, desacreditar as recomendações de órgãos oficiais de saúde sob o argumento de que eles agiriam sob influência de lobby da indústria farmacêutica. A tese é que o dióxido de cloro seria uma ameaça aos medicamentos tradicionais, pois os tornaria obsoletos, tamanha a sua eficiência. Também circulam informações antivacina já extensamente desmentidas pela ciência — como a de que o próprio autismo teria como uma de suas causas a vacinação.

CONDUTA CRIMINOSA

A advogada Bruna Marques Saraiva, presidente da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Paraná, avalia que a utilização do MMS em crianças pode ser enquadrada como conduta criminosa e fere o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência e a Constituição.

“Sabe-se que a utilização prolongada do produto vem causando vômitos, diarreias, desidratação, úlceras, gastrite, insuficiência renal, irritação e lesão das mucosas do organismo e até a morte de jovens e crianças. E essas consequências decorrem de decisão arbitrária dos seus responsáveis em ministrar o MMS sem a indicação e acompanhamento médico”, explica a advogada, em resposta enviada por e-mail à FOLHA.

“Não se duvida do amor desses responsáveis pelos autistas sob sua responsabilidade. Mas ações precipitadas, baseadas em informações disponibilizadas em mídia virtual, sem qualquer aconselhamento médico individualizado, somente demonstram o quanto essa parcela da sociedade encontra-se desprovida de ações governamentais e sociais para a consciência sobre a temática do autismo, uma vez que não há qualquer estudo que comprove a eficácia do MMS enquanto medicamento”, avalia.

Questionado sobre a responsabilidade do médico que recomendar o uso do MMS, o CRM-PR (Conselho Regional de Medicina do Paraná) reforça que a substância tem a fabricação, distribuição e comercialização proibidas, e que o Código de Ética Médica veda ao médico “deixar de colaborar com as autoridades sanitárias ou infringir a legislação”. “O eventual descumprimento das normas éticas por parte do profissional médico é passível de apuração com consequências previstas em lei”, diz a nota enviada à reportagem.

Fonte: Folha de Londrina

Veja também:

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação