fbpx

Após tombo histórico, Bolsa avança 7,14% e dólar cai

Ontem, a Bolsa de Valores brasileira teve um pregão de recuperação após tombar 12,17% na véspera, a pior queda desde 1998. Nesta sessão, o Ibovespa subiu 7,14%, a 92.214 pontos, na maior alta diária desde janeiro de 2009. A alta foi liderada por Petrobras e Vale.

Veja também: FMI pede resposta coordenada ao coronavírus

O real também voltou a ganhar força. A cotação do dólar comercial caiu 1,69%, a R$ 4,6470. O turismo caiu para R$ 4,8980 na venda. Nesta sessão, o Banco Central vendeu US$ 2 bilhões à vista para dar liquidez ao mercado e reduzir a alta da moeda. No ano, o dólar acumula alta de 15,7% ante o real.

Siga nosso Instagram

Investidores aproveitaram as fortes quedas para ajustar as carteiras, otimistas com estímulos econômicos nos Estados Unidos. O presidente Donald Trump afirmou na véspera que trabalha com a possibilidade de cortar impostos sobre os salários para apoiar a economia no combate ao surto de coronavírus.

Na tarde de ontem, Trump se reuniu com senadores republicanos para discutir a medida. Segundo agências de notícias, o presidente norte-americano considera duas opções: reduzir os impostos até novembro, época das eleições presidenciais, ou fazer um corte permanente nas taxas.

Um corte nos impostos sobre a folha de pagamento pode incentivar os gastos dos consumidores e auxiliar as famílias que, de outra forma, poderiam ter dificuldades em quitar, pontualmente, pagamentos de aluguel e hipotecas ou pagar contas médicas caso o horário de trabalho dos membros da família sejam reduzidos durante o surto do coronavírus. Com a iniciativa de Trump, as Bolsas americanas tiveram fortes altas. Dow Jones, S&P 500, e Nasdaq subiram 4,89%, 4,94% e 4,95% cada uma, respectivamente.

O contrário aconteceu na Europa. Segundo a Reuters, a chanceler alemã, Angela Merkel, não acredita que seu país precise de plano de estímulo econômico no momento para conter os efeitos econômicos do coronavírus, e sim, injeção de liquidez. Ainda segundo a agência de notícias, Merkel afirmou que todos os eventos e atividades que não são essenciais na Alemanha deveriam ser cancelados para conter a doença.

Após a divulgação do parecer da líder da maior economia da Europa, índices acionários inverteram o movimento de recuperação e fecharam em queda. O índice Stoxx 50, que reúne as principais empresas europeias, caiu 1,66%. A Bolsa de Paris caiu 1,51% e a de Frankfurt, 1,41%. Londres fechou com leve queda de 0,09%. Com o aumento de casos do coronavírus, Espanha e Itália tiveram quedas mais expressivas: 3,2% e 3,3%, respectivamente.

Recuperação

No Brasil, o otimismo americano deu suporte a recuperação do Ibovespa, que apagou mais da metade das quedas da véspera, quando o circuit breaker foi acionado com queda superior a 10% na abertura do pregão. Também contribuiu a alta no preço do barril de petróleo. O contrato futuro do tipo Brent sobe 10%, a US$ 37,87, após tombar 24% na última segunda-feira (9).

A Petrobras, que teve a maior queda da Bolsa na véspera e sua pior desvalorização diária da história, perdendo R$ 91 bilhões em valor de mercado, apagou parte da queda. As ações preferenciais (mais negociadas) subiram 8,51%, a R$ 18,36. As ordinárias (com direito a voto), 9,41%, a R$ 17,56.

Já a Vale superou o tombo de 15% da véspera, com alta de 18,45% nesta terça, a R$ 44,81, a segunda maior valorização do Ibovespa, atrás apenas de Via Varejo que disparou 21,29% após cair 17% no pregão anterior.

Bolsonaro minimiza

Em evento em Miami, nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro disse que o quadro econômico do Brasil está controlado, negou que haja crise com o derretimento dos mercados financeiros em todo o mundo e disse que a imprensa é culpada pela situação. Na avaliação de Bolsonaro, “muito do que falam é fantasia”, “problemas na Bolsa acontecem” e é melhor “cair 30% o preço do petróleo do que subir.” “Mas isso não é crise. Obviamente, problemas na Bolsa, isso acontece esporadicamente. Como estamos vendo agora há pouco, as bolsas que começam a abrir hoje [ontem] com sinais de recuperação.”

Fonte: O Estado do Ceará

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra