O maior canal de informação do setor

Audiência no Senado discute 3ª dose de vacina contra a covid

100

A Comissão Temporária da Covid-19 no Senado realizou audiência pública para debater a eficácia das vacinas contra o coronavírus nesta 2ª feira (16.ago.2021). Também foi colocada em pauta a possível necessidade de aplicação de doses de reforço dos imunizantes.

Dentre os convidados, estavam representantes do Ministério da Saúde, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

De acordo com a diretora da Anvisa, Meiruze de Souza Freitas, todas as vacinas contra a Covid-19 autorizadas pela instituição são eficazes. São elas: Comirnaty (Pfizer/Wyeth), Coronavac (Butantan), Janssen (Janssen/Cilag) e Oxford/Covishield (Fiocruz e Astrazeneca).

Evidências disponíveis sugerem que esses imunizantes também oferecem proteção contra variantes conhecidas, como a delta.

Segundo a diretora, mesmo aprovadas, as vacinas continuam em estudo no Brasil. Meiruze afirmou que, na pauta das agências reguladoras, a vacinação deve ser ampliada globalmente para que seja contida a multiplicação das novas cepas.

‘É necessário e urgente ampliar a vacinação mundial, garantindo o esquema completo de 2 doses, avaliar os dados científicos para tomada de decisão da 3ª dose e, ampliando o processo de vacinação, é que se teria o melhor cenário para discussões sobre a 3ª dose’, disse.

Anvisa faz parte de uma rede de reguladores internacionais que se reúne regularmente para discutir o desenvolvimento dos imunizantes. No cenário internacional, países como Inglaterra e Espanha realizam estudos com doses de reforço de vacinas homólogas e heterólogas, ou seja, 2 doses de mesma tecnologia de fabricação ou de tecnologias diferentes, respectivamente.

Nos Estados Unidos, a recomendação é de que pessoas com sistema imunológico comprometido recebam uma 3ª dose de vacina de RNA mensageiro, atualmente fabricada pela Pfizer e pela Moderna, depois das 2 doses iniciais. A segurança e eficácia de esquemas vacinais com produtos mistos não foram avaliadas.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que seja feita a aplicação de um mesmo produto para ambas as doses. No Brasil, a intercambialidade de vacinas só é recomendada em casos de gestantes que tomaram a 1ª dose da Astrazeneca.

FALTA DE AGILIDADE

Durante a audiência, Margareth Dalcolmo, pesquisadora da ENSP/Fiocruz, declarou a população brasileira não está sendo vacinada com a agilidade que poderia se aplicada. ‘Com a capilaridade do SUS, o Brasil teria as perfeitas condições de vacinar 2 milhões ou mais de pessoas todos os dias. Nós não tivemos também uma disponibilidade de vacinas para assegurar essa agilidade’, disse.

Segundo a médica, o Brasil deve estar aberto às doses de reforço e que devem ser estabelecidos grupos prioritários para tomarem os imunizantes extras. Para ela, sobretudo, pessoas que se vacinaram com o imunizante do vírus inativado, como a Coronavac, pessoas com mais de 70 anos, profissionais da saúde e portadores de deficiência no sistema imunológico.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/vacina-inedita-contra-a-covid-19-feita-a-base-de-plantas-entra-em-fase-final-de-testes-no-parana/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação