fbpx

Bolsonaro diz que ameaçou transferir médico militar que resistiu a dar cloroquina para ele

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista a um canal no YouTube que ameaçou mandar transferir um médico militar que resistiu a receitar hidroxicloroquina para ele quando o chefe de Estado estava com sintomas de Covid-19.

Em julho de 2020, Bolsonaro anunciou que estava infectado pelo novo coronavírus (vídeo abaixo). Segundo afirmou na ocasião, ele tomou hidroxicloroquina, remédio que defende como tratamento para a Covid-19, embora cientificamente esteja comprovada a ineficácia do medicamento para essa finalidade.

Bolsonaro deu a informação sobre a ameaça de transferência do médico em uma conversa com apoiadores, exibida em um canal no YouTube. Embora tenha sido transmitida nesta terça-feira, a conversa do presidente com os integrantes do canal foi gravada em 24 de maio, segundo a agenda oficial.

“Eu mesmo quando senti o problema, né, chamei o médico. Falei: ‘Ó, tô com os sintomas’. Estava brocha. Daí ele falou: ‘Tá com todos os sintomas’ [entrevistador diz então que Bolsonaro é imbrochável]. Pois é, estava meio brocha. E ele falou para mim: ‘Tá com sintomas, vamos fazer o teste'”, declarou.

Em seguida, segundo o presidente, ele pediu que fosse receitada cloroquina, mas o médico resistiu.

“Falei: ‘Me traz aquele remédio’. ‘Não, não, não’. ‘Médico militar, eu sou capitão’. ‘Não, não, não’. Eu falei: ‘Traz o remédio porque o exame… só vai sair o resultado amanhã, pode ser tarde demais’. ‘Ah, mas protocolos nossos’. Falei: ‘Traz o remédio ou te transfiro para a fronteira agora, democraticamente’. Pronto. Tomei, e no dia seguinte estava bom. Pô, cara, se esperar mais um tempo, já era”, disse Bolsonaro.

Na época em que teve Covid-19, o presidente afirmou que chegou a ter febre de 38 graus. Relatou também que sentiu mal-estar e cansaço.

Durante a pandemia, o presidente Jair Bolsonaro defendeu o uso da hidroxicloroquina e outros medicamentos para tratamento para Covid-19, contrariando estudos científicos que demonstravam a ineficácia destas substâncias contra o novo coronavírus.

Bolsonaro também atacou a vacinação contra a doença, inclusive a vacinação infantil. Ele repetia que a vacina não tem eficácia – o que é falso.

Bolsonaro chegou a questionar a honestidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por ter aprovado a vacinação infantil contra Covid e chamou quem defende a imunização de “tarados por vacinas”.

O YouTube removeu vídeos do canal do presidente por violação da regra que proíbe a recomendação de cloroquina e ivermectina contra Covid, uma vez que esses medicamentos não têm eficácia contra a doença.

Pelo menos 10 desses vídeos continham menções à cloroquina, apontou o levantamento da empresa de análise de dados Novelo Data. A remoção dos vídeos sobre esse tema começou após uma atualização da política de uso do YouTube.

Ao acessar os links do YouTube, é exibida a mensagem: “Este vídeo foi removido por violar as diretrizes da comunidade do YouTube”.

Fonte: G1.Globo

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra