fbpx
O maior canal de informação do setor

Brasília está fazendo acordo para produzir vacina russa

vacina

Brasília – Em meio à corrida por uma vacina que seja eficaz contra a COVID-19, uma preocupação é como o Brasil fica. Com isso em mente, o Diretor de Negócios Internacionais da União Química Rogério Rosso está trabalhando diretamente em um acordo com a Rússia para que a vacina Sputnik V seja produzida em Brasília.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Primeiro lote da vacina russa contra a COVID-19 chega para população de risco

Vacina russa: Bahia fecha acordo que prevê 50 milhões de doses

COVID-19 | Rússia deve registrar segunda vacina até 15 de outubro

Com isso, dois técnicos da União Química foram a Moscou para dar início às negociações. O ex-deputado Rogério Rosso deixa clara a sua confiança na eficiência da vacina para a imunização contra o coronavírus. Porém, pelo menos por enquanto, essa negociação segue confidencial.

Em setembro, o Governo da Bahia assinou um acordo de cooperação com o fundo soberano da Rússia (RDIF) para o fornecimento de até 50 milhões de doses da Sputnik V contra a COVID-19. O imunizante já recebeu autorização especial de uso pelo governo russo. Com o acordo em questão, a Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico (Bahiafarma) poderá comercializar a vacina Sputnik V em território brasileiro, com a possibilidade de entrega a partir de novembro desse ano.

Sputnik V

Com o objetivo de estimular a imunização contra o coronavírus, a vacina russa trabalha com dois vetores de adenovírus. Isso significa que o imunizante carrega em sua composição dois tipos de vírus que, naturalmente, afetam humanos e causam o resfriado comum. Os agentes infecciosos foram enfraquecidos, de forma que não causem nenhuma reação séria no corpo do paciente.

Um dos agentes é o adenovírus humano recombinante tipo 26 (rAd26-S), e o outro é o adenovírus humano recombinante tipo 5 (rAd5-S). Para se ter uma noção, os dois modificados geneticamente e carregam a proteína S do coronavírus. Em forma de espinhos (os chamados spikes), a proteína S permite que o vírus infecte as células humanas. Através dessa técnica de incluir dois vírus diferentes para despertar a imunização é como se fossem duas vacinas em uma única. Essa tecnologia russa foi a mesma utilizada em outro imunizante do país, só que contra o ebola.

Fonte: Canaltech

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/10/01/pouso-alegre-ganha-empreendimento-industrial-para-atender-o-setor-farmaceutico/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra