fbpx
O maior canal de informação do setor

Butantan: vacina pode garantir 97% de imunidade

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que a vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, pode garantir mais de 90% de imunidade contra a Covid-19. “Com duas doses poderemos ter proteção superior a 97% e isso é fundamental para quebrar a cadeia da transmissão do coronavírus”, afirmou em entrevista à rádio Jovem Pan. Covas ainda explicou que o medicamento chamado CoronaVac será aplicado em duas doses, com diferença de 14 dias. O tempo de duração da imunidade ainda não foi determinado. O medicamento está na terceira e última fase de testes no Brasil, em mais de mil profissionais da saúde, que estão na linha de frente de combate à doença. O governo estima que estado terá 45 milhões de doses disponíveis em dezembro. Além da CoronaVac, outros três imunizantes estão em fase de teste avançado no país. A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, a Ad26.COV2.S da Johnson & Johnson e a do laboratório norte-americano Pfizer em parceria com a Biontech.

PRESSÃO

Farmacêuticas e médicos buscam na crise do coronavírus uma forma de fazer pressão para que ritos “acelerados” adotados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para autorização de pesquisas de potenciais vacinas e remédios sejam mantidos após a pandemia. Dados de relatório da agência mostram que, em 2019, o tempo médio de análise de diferentes dossiês para estudos clínicos com medicamentos –quando são feitas pesquisas em humanos– variou de cerca de três a seis meses, para pedidos prioritários, a sete a nove meses, para aval a estudos iniciais que incluíam remédios mais complexos.

Os números contrastam com o prazo atual para análise de novos pedidos de testes de potenciais vacinas e medicamentos para Covid-19, os quais têm recebido, em média, aval em até 72h após a submissão.

Para Nelson Mussolini, presidente-executivo do Sindusfarma, que reúne indústrias farmacêuticas, a Anvisa demonstrou na pandemia que tem condições de avaliar pedidos de autorização de estudos clínicos de forma rápida. “A média de [tempo de análise para] pesquisa clínica no Brasil é muito ruim perto de outros países. Os Estados Unidos aprovam em 30 a 60 dias enquanto no Brasil demora seis a sete meses” diz. “É uma burocracia que na maioria dos casos é desnecessária.”

Fonte: Gazeta de Alagoas 

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/08/12/podemos-vacinar-contra-a-covid-19-em-janeiro-diz-diretor-do-butantan/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra