fbpx

Covid-19 longa é ligada a falhas no nervo vago, mostram estudos

Efeitos do Sars-CoV-2 sobre um dos principais componentes do sistema nervoso pode explicar sintomas persistentes da infecção, como tontura, pressão baixa e dificuldades para falar e engolir, mostra estudo espanhol.

Milhares de pacientes recuperados da infecção pelo Sars-CoV-2 sofrem os efeitos de longo prazo — uma condição que, segundo uma pesquisa que será apresentada em abril, no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas, pode estar associada à ação do coronavírus no nervo vago, um dos mais importantes do organismo. O estudo foi conduzido por Gemma Lladós e Lourdes Mateu, do Hospital Universitário Alemão Trias i Pujol, em Barcelona.

O nervo vago se estende do cérebro para o tronco, chegando ao coração, aos pulmões e aos intestinos, bem como a vários músculos, incluindo os envolvidos na deglutição. Ele é responsável por uma ampla variedade de funções corporais, incluindo controle de frequência cardíaca, fala, reflexo de vômito, transferência de alimentos da boca para o estômago, movimentação de alimentos pelos intestinos e sudorese, entre outros.

A covid longa é uma síndrome potencialmente incapacitante que afeta cerca de 10% a 15% das pessoas que sobrevivem à infecção por Sars-CoV-2. As autoras do estudo propõem que a disfunção do nervo vago (VND) mediada pelo coronavírus pode explicar alguns sintomas persistentes, incluindo disfonia (problemas de voz), disfagia (dificuldade em engolir), tontura, taquicardia (frequência cardíaca anormalmente alta), hipotensão (pressão arterial baixa) e diarreia.

As pesquisadoras realizaram uma avaliação morfológica e funcional do nervo vago, usando exames de imagem, em um grupo de pacientes de covid longa com sintomas sugestivos de VND. Dos 348 participantes, 228 (66%) tinham pelo menos um sinal associado à VND. Desses, 22 foram incluídos na fase inicial do estudo, que continua a recrutar pacientes.

Dos 22 sujeitos analisados, 20 (91%) eram mulheres com idade mediana de 44 anos. Os sintomas relacionados ao VND mais frequentes foram diarreia (73%), taquicardia (59%), tontura, disfagia e disfonia (45% cada) e hipotensão ortostática (14%). Quase todos (86%) tiveram pelo menos três sinais associados à disfunção no nervo vago, com duração média de 14 meses.

Inflamações

Seis dos 22 pacientes (27%) apresentaram alteração do nervo vago no pescoço mostrada pelo ultrassom — incluindo espessamento do nervo e aumento da ecogenicidade, o que indica alterações reativas inflamatórias leves.

Um exame de imagem torácico mostrou curvas diafragmáticas achatadas em 10 dos 22 (46%) indivíduos — clinicamente, essa condição se traduz como uma diminuição da mobilidade diafragmática durante a respiração, ou simplesmente respiração anormal. Sessenta e três por cento dos avaliados apresentaram pressões inspiratórias máximas reduzidas, evidenciando fraqueza dos músculos respiratórios.

Os exames também comprovaram diversas outras alterações associadas à disfunção do nervo vago, como dificuldade de deglutição, refluxo gastroesofágico e disfonia.

“Nessa avaliação piloto, a maioria dos pacientes de covid longa com sintomas de disfunção do nervo vago apresentaram uma série de alterações estruturais e/ou funcionais significativas, clinicamente relevantes, incluindo espessamento do nervo, dificuldade para engolir e sintomas de respiração prejudicada. Nossas descobertas, até agora, apontam para a disfunção do nervo vago como uma característica fisiopatológica central da covid longa”, escreveram as autoras no resumo do artigo.

Fonte: Jornal Correio Braziliense – DF

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/medlevensohn-presenca-farmacias-teste/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra