fbpx
O maior canal de informação do setor

Covid-19: Movimento nas redes sociais responsabiliza governo federal por mortes

171

Um protesto nas redes sociais atribuindo as mortes por Covid-19 ao Governo Federal ganhou destaque neste domingo (16). Tanto no Twitter, quanto no Instagram, nome de pessoas falecidas em decorrência do coronavírus acompanhavam a hashtag “#euteresponsabilizobolsonaro”.

Muitas postagens eram acompanhadas de uma bandeira do Brasil que trazia desenho de caveiras no lugas de estrelas e com as cores preto e branco. A proposta da manifestação virtual, segundo descrito em um dos posts que deu origem ao movimento, pedia que os usuários escrevessem o nome de uma pessoa que perdeu a vida devido ao vírus. “Escreva o nome de uma pessoa que perdeu a vida devido ao plano de disseminação do novo coronavírus do governo federal para produzir a chamada ‘imunidade de rebanho’, sugeria a publicação.

#EUTERESPONSABILIZOBOLSONARO

Pela morte do meu ‘tio’, que deixou uma esposa e uma filha DE SEIS ANOS sozinhas. pic.twitter.com/SKeaFW4chZ

– triz ?? (@booksaelin) May 16, 2021

Pela morte da minha melhor amiga e irmã Renata ?? #EUTERESPONSABILIZOBOLSONARO pic.twitter.com/4BwBi8aKEa

– Adriel Adams (@adrieladams) May 16, 2021

No Twitter, algumas postagens com o protesto também acompanhavam trecho de uma entrevista dada pelo médico sanitarista Gonzalo Vecina, ex-diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na gravação de parte do programa “Opinião” da TV Cultura, que tinha como tema a CPI da Covid-19, no Senado Federal, o especialista falava da gestão do governo federal diante da pandemia. Ele comentava que a falta de negociação para aquisição dos imunizantes em tempo hábil acabou tendo como consequência o maior número de falecimentos.

Segundo o especialista, toda as mortes pela Covid-19, depois que o país chegou a marca de 400 mil registros, podem ser atribuídas ao governo federal.

“Se nós tivéssemos comprado a vacina, estaríamos neste momento debelando a crise como aconteceu em Israel, como aconteceu na Escócia e está acontecendo nos Estados Unidos. A falta de vacinas é da responsabilidade exclusiva do Ministério da Saúde e do Governo Federal. Está escrito na lei do PNI, de 1975, que é responsabilidade exclusiva do Ministério da Saúde. A responsabilidade é dele, do presidente da república”, disse Vecina.

Além da falta de vacinas em tempo hábil, o especialista destacou que a postura de entes do governo federal, sobretudo do presidente Jair Bolsonaro, contribuem para o aumento de mortes e casos da doença. “A responsabilidade é dele, do presidente da República, além dos maus exemplos, de dizer que isolamento e distanciamento social não funcionam, que máscara não funciona. A CPI nem precisava existir, era já partir para a culpa e pronto”, enfatizou.

Fonte: O Tempo online

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/05/17/mais-dois-tripulantes-de-navio-com-indiano-infectado-por-covid-19-apresentam-sintomas/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação