O maior canal de informação do setor

CPI ouvirá líder de Bolsonaro citado nas ilegalidades na compra da Covaxin

115

Depoimento do líder do governo na Câmara promete ser tenso, pois pode implicar diretamente o presidente Jair Bolsonaro, que, sabendo que Barros estaria por trás de negócios na compra de imunizantes, nada fez, incorrendo então em crime prevaricação

Veja também: Fiocruz entrega mais 1 milhão de doses ao Ministério da Saúde

A CPI da Covid-19 no Senado ouve, na próxima quinta-feira (12), o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR). O nome dele foi mencionado por Jair Bolsonaro em supostas irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin.

Siga nosso Instagram

A comissão também convocou para depor, o presidente do Instituto Força Brasil, Hélcio Bruno de Almeida, e o presidente da Vitamedic Indústria Farmacêutica, Jailton Batista.

A convocação de Barros foi sugerida pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). De acordo com o autor do requerimento, o líder do governo na Câmara foi ‘mencionado pelo próprio presidente da República no cometimento de potenciais ilícitos no contexto de negociação e compra da Covaxin’, escreveu Vieira no pedido. O depoimento está marcado para quinta-feira, a partir das 9 horas.

O depoimento do deputado promete ser tenso, pois pode implicar diretamente o presidente Jair Bolsonaro, que sabendo que o líder dele na Câmara estaria por trás de negócios ilícitos na compra de imunizantes, nada fez, incorrendo então em crime de prevaricação, pelo menos.

IMBRÓGLIO

Todo esse imbróglio veio à tona no depoimento prestado à CPI, em 25 de junho, pelos irmãos Miranda – o deputado Luis Miranda (DEM-DF), e o irmão dele, que é servidor concursado do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda.

O contrato foi fechado pelo governo e a Precisa Medicamentos, atravessadora do negócio, para fornecer 20 milhões de doses da vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, no valor total de R$ 1, 6 bilhão.

Luis Ricardo Miranda estava sendo pressionado a autorizar a importação da Covaxin com o invoice determinando o pagamento antecipado dos US$ 45 milhões num paraíso fiscal.

Foi essa invoice que Miranda entregou a Bolsonaro como prova das irregularidades. Bolsonaro, ao ver documento, disse, ao que tudo indica, enganosamente, aos irmãos Miranda que a coisa era séria, embora não tenha tomado nenhuma providência como prometera.

Segundo o deputado Luis Miranda, Bolsonaro chegou a dizer que sabia do que se tratava e creditou o malfeito ao seu líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros. ‘Isso é coisa do fdp do Barros’, disse ele, segundo Miranda.

Ou irregularidade é o preço da vacina que o governo aceitou pagar: US$ 15 a dose da Covaxin.

Uma ata do Ministério da Saúde resume uma reunião de 20 de novembro de 2020 com o ex-secretário-executivo Elcio Franco, e representantes da Precisa. O documento indica que o preço seria de US$ 10 dólares com possibilidade de redução de valores. Ao final, o contrato foi assinado por US$ 15 a dose da vacina.

O crime de prevaricação é cometido por funcionário público quando, indevidamente, esse retarda ou deixa de praticar ato de ofício, ou pratica-o contra disposição legal expressa, visando satisfazer interesse pessoal.

Na semana passada, o laboratório Bharat confirmou que a Precisa falsificou documentos e rompeu com a atravessadora.

A CPI vai ter mais 90 dias de investigações, pois em 14 de julho teve os trabalhos prorrogados. Desse modo, o inquérito no Senado que apura as ações, inações e responsabilidades do governo, sob a liderança de Bolsonaro, no combate à pandemia da Covid-19, deve ir até o início de novembro.

400 MILHÕES DE DOSES DA ASTRAZENECA

Na terça-feira (10), a CPI ouve Helcio Bruno de Almeida. O requerimento é do vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele lembra que, em depoimento à CPI, representantes da empresa Davati no Brasil disseram que o presidente do Instituto Força Brasil intermediou encontro entre eles e o então secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Elcio Franco.

Na ocasião, discutiu-se a compra de 400 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca.

O CHAMADO ‘KIT-COVID’

Na quarta-feira (11), os senadores tomam o depoimento de Jailton Batista. O presidente da Vitamedic Indústria Farmacêutica deve falar sobre a venda de medicamentos relacionados ao chamado ‘Kit-Covid’, que não têm eficácia científica comprovada contra a Covid-19.

O requerimento do relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), previa originalmente a convocação de outro representante da Vitamedic, o empresário José Alves Filho. A substituição, entretanto, foi solicitada pela própria farmacêutica.

QUEBRAS DE SIGILO E REQUISIÇÃO DE SERVIDORES DA PF

Ao final da reunião da última quinta-feira (5), a CPI aprovou cinco requerimentos, dos quais três são relacionados às quebras de sigilo. Um desses pediu a quebra do sigilo telemático do perfil Dallas Cowboy, do Twitter. O autor, senador Humberto Costa (PT-PE), pediu que a plataforma forneça, por meio eletrônico, os dados cadastrais e de criação da conta, com nome, e-mail e telefone dos responsáveis.

Segundo Costa, o perfil se vale do anonimato para difundir ‘fake news’ e atacar instituições e autoridades da República. No requerimento, o senador registra ainda que o perfil ataca ‘a ciência para se disseminar ideias falsas sobre a pandemia, inclusive sobre tratamentos sem qualquer evidência científica’.

Também foi aprovado o requerimento para a quebra de sigilo telefônico do empresário Rodolfo Fortes Neto. De acordo com o pedido, de iniciativa do vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a transferência de sigilo deve retroagir até o mês de janeiro do ano passado.

O senador aponta que Fortes Neto teve contato com agentes políticos e representantes do governo na tratativa de aquisição de vacinas. Randolfe classifica a quebra de sigilo como ‘imprescindível’, já que existe o ‘justo receio de que muitas dessas pretensas contratações foram eivadas de vícios de legalidade’.

RELAÇÃO ENTRE A PRECISA MEDICAMENTOS E A FIB BANK

A CPI ainda aprovou a quebra dos sigilos telefônico, bancário, fiscal e telemático da FIB Bank Garantia de Fianças. Randolfe, também autor do requerimento, aponta a relação entre a Precisa Medicamentos e a FIB Bank como justificativa para o pedido de quebra de sigilo.

Ele argumenta que a Precisa, suspeita de irregularidades na negociação de vacinas anticovid com o Ministério da Saúde, apresentou ao governo carta de fiança emitida pela empresa FIB Bank, sediada em Barueri (SP), no valor de R$ 80,7 milhões. Segundo Randolfe, há suspeitas de irregularidades nessa transação bancária.

Na sequência da quebra de sigilo da FIB Bank, foi aprovado o requerimento, também de Randolfe, para a convocação do advogado Marcos Tolentino da Silva, apontado como sócio oculto dessa empresa.

A CPI ainda aprovou outro requerimento de Humberto Costa, no qual solicita à Polícia Federal a cessão de dois servidores para prestar apoio e assessoramento técnico investigativo aos trabalhos da comissão.

Fonte: Expresso 222

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação