O maior canal de informação do setor

Crise hídrica deve manter inflação em alta e frear atividade econômica

261

A pior seca no país em 91 anos, que esvaziou os reservatórios das hidrelétricas, tem ficado cara para indústrias, comércio e consumidores — e a situação deve piorar. O aumento das tarifas e a necessidade de reduzir o consumo de energia, para que o sistema elétrico não entre em colapso, devem manter a inflação em patamar elevado e frear a atividade econômica. O economista Gabriel Leal de Barros, da RPS Capital, calcula que, se não chover o suficiente no período úmido, que vai de outubro a abril, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve se manter na casa dos 8% neste ano e no próximo, e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) pode ter uma perda de até dois pontos percentuais em 2022. Como a previsão do mercado para o PIB do próximo ano é de 2%, o país pode cair na estagnação.

Veja também: Crise hídrica ameaça ‘controle técnico’ e pode expor sistema elétrico a falhas, apontam…

O cenário é delicado. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) prevê que, até novembro, os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, que respondem por 70% da geração de energia do país, deverão chegar a 10% da sua capacidade. Hoje, as hidrelétricas já operam em nível baixíssimo, com 22,5% da capacidade de armazenamento. O índice é inferior aos 23,4% registrados no mesmo período de 2001, quando o Brasil enfrentou a “crise do apagão”.

Siga nosso Instagram

Nesta semana, ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que haverá um novo reajuste das tarifas em setembro. “Não adianta ficar sentado chorando. Temos de enfrentar a crise. Vamos ter de subir a bandeira, a bandeira vai subir”, disse ele, em referência ao valor da bandeira vermelha patamar 2, taxa extra aplicada atualmente na conta de energia. O novo reajuste será decidido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na próxima terça-feira, e a tendência é que fique entre 50% e 58%. A bandeira vermelha 2 foi reajustada em 52% há dois meses, passando de R$ 6,24 a R$ 9,49 para cada 100 kWh consumidos. Com o novo aumento, o valor será de, no mínimo, R$ 14.

Para Gabriel Leal de Barros, o aumento da sobretaxa é a única alternativa a curto prazo. “Nossa dependência de hidrelétricas ainda é de quase 70%. Quando tem uma crise hídrica muito forte, a tarifa precisa subir para evitar que as distribuidoras de energia sofram um grande desequilíbrio financeiro”, explica.

Déficit

Esse desequilíbrio ocorre porque, com as hidrelétricas operando em baixa, o governo demanda mais energia das usinas termelétricas, que é mais cara. “O megawatt produzido em uma usina movida a carvão custa o dobro do gerado por uma hidrelétrica. Se for uma termelétrica movida a gás, o custo é quatro vezes maior”, pontua o economista sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes.

A alta das tarifas, explica Bentes, gera um efeito cascata em toda a economia — e pode desacelerar o setor de comércio. “A energia elétrica é um item insubstituível e utilizado em todos os setores do comércio e da indústria. (O aumento) vai pressionar o orçamento das famílias e prejudicar o comércio, porque o setor não vai conseguir segurar o reajuste sem repassar uma fatia um pouco maior do que a usual para os preços”, afirma.

“Além de ter um peso grande no orçamento familiar, a energia é usada para praticamente tudo. Metade do custo da produção de leite é energia elétrica. No cimento, 25% é energia”, exemplifica o economista.

Fonte: Correio Braziliense

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação