O maior canal de informação do setor

Deputados do Centrão controlam logística da vacina desde Mandetta

197

Políticos do Centrão, grupo que integra a base aliada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), controlam áreas estratégicas para a compra de vacinas no Ministério da Saúde. Um exemplo é o Departamento de Logística (DLOG), que está sob o comando do grupo desde a gestão de Luiz Henrique Mandetta, nome cogitado como possível candidato do DEM à Presidência da República. As informações são do jornal O Globo.

O DLOG é responsável por um orçamento bilionário. É neste setor que trabalha servidor de carreira Luis Ricardo Miranda, que denunciou irregularidades no contrato para a compra da vacina indiana Covaxin, o imunizante mais caro negociado pelo governo federal até agora, e abalou a República.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

O chefe do departamento, Roberto Ferreira Dias, é indicado do Centrão, com a atuação do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), citado nas suspeitas que envolvem a contratação da Covaxin. O contrato é um dos alvos da CPI da Pandemia.

O DLOG é um dos departamentos mais importantes da pasta. Dados do ministério mostram que apenas em compras destinadas ao combate à Covid-19, o setor já fechou contratos de R$ 15,7 bilhões. O valor é maior do que orçamentos de ministérios inteiros, como o da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, que tem verbas de R$ 12,3 bilhões para este ano. O departamento é responsável pela importação de insumos estratégicos para a Saúde, como vacina e medicamentos.

Indicação

Dias foi uma indicação conjunta do deputado Pedro Lupion (DEM-PR) e de Ricardo Barros, ainda na gestão de Luiz Henrique Mandetta, em janeiro de 2019. Segundo depoimento do irmão do servidor Luis Ricardo à CPI, deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), o nome de Barros foi citado pelo próprio Bolsonaro quando ouviu em março relatos sobre suspeitas de irregularidades na Saúde.

O atual chefe do DLOG já foi servidor do governo do Paraná e ocupou cargo na gestão de Cida Borghetti, mulher de Barros. Procurado, o líder do governo negou a participação na indicação. Outras fontes que acompanharam a indicação, porém, confirmam que Barros teve peso na escolha.

Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Ministério da Saúde, citou Dias como uma das autoridades que teria pressionado para que ele agilizasse o envio da documentação da Covaxin à Anvisa, mesmo com inconsistências nos recibos e documentação incompleta. Ele relatou ligações e insistência de superiores que não teriam havido em outros processos de aquisição de vacinas, como do Covax Facility, da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Fonte: Bahia1

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação