fbpx

Desde 2020, Anvisa proibiu 144 remédios naturais para emagrecer

Na última semana, o caso da enfermeira paulista que faleceu depois de consumir um chá emagrecedor em cápsulas e teve hepatite fulminante tomou conta do noticiário. Segundo a família, Mara Abreu fazia uso de um composto com 50 ervas diferentes que promete ‘secar barriga e emagrecer’. O produto denominado ’50 ervas emagrecedor’ contém 60 cápsulas de 500 mg, custa R$ 9,23 e promete ‘emagrecimento sem dieta’. Segundo o rótulo, também combate gordura localizada, celulite, estrias, colesterol, diabetes e ansiedade.

Em levantamento feito a pedido do Metrópoles, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que, desde 2020 foram publicadas mais de 60 medidas preventivas e/ou cautelares de produtos similares ao ’50 ervas’, usado pela paciente paulista. Os produtos faziam promessas milagrosas de perda de peso rápida. ‘As medidas incluem ações de recolhimento, apreensão, inutilização e proibição (de armazenamento, comercialização, distribuição, fabricação, importação, manipulação, propaganda e do uso)’, explica a agência.

Qualquer produto que diga ter alegações terapêuticas (calmante, emagrecedor, remédio contra a dor, etc.) deve ser autorizado pela Anvisa para ser comercializado no país. Os parâmetros para a aprovação de medicamentos são rígidos e exigem comprovação de eficácia e segurança por meio de pesquisas clínicas. Uma vez aprovados, os medicamentos só podem ser vendidos em farmácias e drogarias.

Os suplementos alimentares, de acordo com a agência, não são considerados medicamentos e, por isso, não podem ser vendidos com fins de tratar, prevenir ou curar qualquer doença. ‘Os suplementos são destinados a pessoas saudáveis. Sua finalidade é fornecer nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos em complemento à alimentação’, afirma a Anvisa. A categoria também precisa de registro na agência e é sujeita a fiscalização.

De acordo com a Anvisa, o produto ’50 Ervas Emagrecedor’ não poderia ser classificado nem como remédio e nem como suplemento alimentar, pois contém ingredientes que não são autorizados para o consumo sem uma dosagem adequada. A agência explica que componentes da fórmula, como chapéu-de-couro, cavalinha, douradinha, salsaparrilha, carobinha, sene, dente-de-leão, pau-ferro e centella asiática, poderiam estar presentes apenas em formulações de medicamentos fitoterápicos, que necessitam de registro.

O objetivo da diferenciação e da fiscalização sanitária é garantir que nenhum produto que possa causar danos à saúde seja comercializado. Após a publicação da medida preventiva, é feita uma investigação e, caso haja risco sanitário, é instaurado o Processo Administrativo Sanitário, quando o fabricante pode se defender. Quando há indício de atividade ilícita, o Ministério Público é acionado.

Cada medida preventiva diz respeito a mais de um medicamento, e a lista chega a 144 remédios. Veja, na galeria:

Falência do fígado

Mara Abreu morreu ao rejeitar um transplante de fígado. A cirurgiã Liliana Ducatti Lopes, que atendeu a enfermeira e relatou a história nas redes sociais, diz que casos assim são mais comuns do que se imagina. Segundo ela, a fórmula do composto possui várias ervas conhecidas por serem hepatotóxicas, como chá verde e carqueja. ‘É muito bem descrito na literatura, há vários relatos e papers que mostram casos de hepatite fulminante causada por uso de chá verde’, afirmou a médica, em um vídeo compartilhado sobre o caso.

O consumo desse tipo de fórmula pode causar diversos problemas de saúde. A mistura de algumas ervas pode ser tóxica e a falta de controle sobre o que está dentro da embalagem é perigosa, uma vez que não há segurança sobre a quantidade de cada um dos ingredientes ou sua procedência.

Venda online

A Anvisa e o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) criaram um projeto-piloto em parceria para monitorar a venda de medicamentos irregulares em plataformas de e-commerce no Brasil. A ideia é coibir a comercialização de produtos que podem fazer mal à saúde. O monitoramento ainda está em fase inicial e os resultados preliminares serão divulgados pela agência quando estiverem prontos.

De toda forma, a Anvisa reitera que o consumidor deve desconfiar de ‘produtos com propriedades terapêuticas’ e sugere que se busquem informações sobre a existência ou não de autorização. ‘Produtos não regularizados na Agência não oferecem a garantia de eficácia, segurança e qualidade exigida para produtos sob vigilância sanitária. Sem esses requisitos mínimos, eles são considerados irregulares e representam um alto risco de dano e ameaça à saúde das pessoas. Desconfie de produtos com promessas milagrosas, que prometem emagrecimento fácil ou qualquer outro tipo de ação de tratamento, cura ou prevenção de doenças’, afirma o órgão.

Fonte: Portal Metrópole Online

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra