fbpx
O maior canal de informação do setor

Dificuldades na compra de insumos para pacientes intubados preocupam gestores

Dificuldades na compra de insumos para pacientes intubados preocupam gestores

Além da dificuldade de ampliar o número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e respiradores, hospitais e municípios gaúchos têm, agora, enfrentado obstáculos para comprar sedativos e relaxantes musculares utilizados na intubação de pacientes com Covid-19 em estado grave. O alerta é da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), entidade representante dos 497 municípios do Estado, e da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Filantrópicos e Religiosos do Rio Grande do Sul, representante das 269 casas de saúde.

De acordo com as entidades, a demanda dos últimos três meses pelos medicamentos que compõem o chamado kit intubação nas UTIs, usado nos pacientes com o novo coronavírus, já equivale à totalidade do que foi utilizado em todo o ano de 2010 no Estado. As dificuldades em comprar os kits ocorrem por dois motivos: a alta de manda e os preços elevados. As entidades alertam que em dezenas de hospitais há falta dos medicamentos, afetando a saúde e ameaçando a vida dos pacientes.

Vice-presidente da Famurs, o prefeito de Taquari, Maneco Hassen de Jesus, explica que para tentar estocar os sedativos e relaxantes musculares, alguns hospitais estão adiando cirurgias eletivas. “Aconteceu com o meu município. O hospital que é referência para a gente comunicou a suspensão temporária das eletivas para guardar estes medicamentos para a intubação dos pacientes de Covid-19 porque estão com dificuldades com os fornecedores.” De acordo com Maneco, alguns dos fármacos usados tiveram um aumento de 900% no preço.

Além do manifesto, a Famurs irá acionar o governo do Estado e órgãos de controle como o Ministério Público e o Tribunal de Contas, alertando sobre as dificuldades e pedindo ajuda na tentativa de buscar um entendimento com fornecedores.

Presidente da Associação dos Municípios do Vale do Rio dos Sinos (Amvars), Tânia Terezinha da Silva admite que a pandemia inflacionou desde o preço de equipamentos de proteção individual (EPIs) até medicamentos. Além deste empecilho, o afastamento de servidores da saúde infectados com o novo coronavírus é outro problema enfrentado por prefeituras da região, especialmente de cidades maiores, como Novo Hamburgo, Sapiranga e Campo Bom. “São muitas as dificuldades.”

Entrega fracionada no Hospital Municipal

Entre os hospitais gaúchos com dificuldades na aquisição de insumos está Municipal, de Novo Hamburgo. Conforme a Fundação de Saúde de Novo Hamburgo (FSNH), como em várias outras cidades, é de conhecimento público que há escassez de insumos no mercado. No momento, a empresa fornecedora licitada tem entregue de maneira fracionada ao Município, como em demais hospitais públicos, o kit de medicamentos utilizados na entubação de pacientes.

“Na última sexta-feira, dia 26, houve reabastecimento de 15% do pedido feito à empresa pelo Hospital Municipal dos fármacos que compõem o kit para o procedimento em casos mais graves de Covid-19 e outras enfermidades”, informa, em nota, a FSNH. “Toda semana, a coordenação de UTI organiza com a farmácia da instituição outras combinações de medicamentos, a fim de suprir essa necessidade emergencial”, complementa.

Sindicato das indústrias farmacêuticas admite problemas

O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) esclarece que os problemas de abastecimento se devem ao grande aumento de demanda em curtíssimo espaço de tempo, muito superior à capacidade de produção. “Apesar de terem quadruplicado a produção, as indústrias enfrentam, desde o início do ano, as restrições à compra de insumos impostas pela conhecida crise mundial de suprimento de matérias-primas farmacêuticas e produtos para a saúde provocada pela pandemia”, justifica. Segundo o Sindusfarma, as empresas estão trabalhando para regularizar logo o fornecimento. O Sindusfarma não comentou sobre as reclamações de preços abusivos.

Impasse nacional

Levantamento recente da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) mostra que o valor de alguns sedativos aumentaram quase 300% e seis em cada dez hospitais enfrentavam dificuldades de encontrá-los. De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), quase todos os estados enfrentam problemas no abastecimento destes insumos.

Esta situação é tema de debates na Comissão Externa do Coronavírus na Câmara dos Deputados, que pressiona a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) para controlar eventuais condutas abusivas no preço praticado. Alterações temporárias na regulamentação que normatiza a política de fixação de preços máximos dos fármacos são algumas das alternativas cogitadas para tentar frear a subida dos preços. Além disso, o Ministério da Saúde pretende mediar compras de Estados e municípios, na tentativa de evitar uma espécie de leilão entre os entes federativos.

Em alguns Estados, o Ministério Público Federal conseguiu na Justiça liminares obrigando a União a garantir o abastecimento de fármacos necessários para os pacientes com Covid-19.

Fonte: Jornal NH

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/06/30/coalizao-de-hospitais-vai-testar-antivirais-contra-covid/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra