fbpx

Dólar fecha em R$ 4,65; Guedes: “se fizer bobagem, chega a R$ 5”

Nesta quinta-feira, 5, o dólar fechou o dia cotado 4,65 reais, mais uma máxima histórica. O ministro da Economia, Paulo Guedes, atribuiu a alta recente do dólar aos patamares recentes aos efeitos do coronavírus, à desaceleração econômica e, claro, à imprensa. Ele também citou o que chamou de choque entre o Congresso e o presidente da República como um dos motivos e afirmou que se “muita besteira” for feita o dólar pode chegar ao patamar de 5 reais. “Se o presidente pedir para sair, se o presidente do Congresso pedir para sair. Se todo mundo pedir para sair… se todo mundo falar que… entende… se tiver… bom, às vezes eu faço algumas brincadeiras de professor e isso vira coisa errada”, divagou Guedes ao ser questionado sobre o risco de o dólar ir a 5 reais.

A moeda americana alcançou um novo recorde na esteira da divulgação de novos dados do coronavírus no Brasil. Agora são oito casos confirmados no país. Contudo, não é só isso o que explica tamanha deterioração. O real, numa cesta das 40 moedas mais importantes para o comércio global, é a que mais se desvalorizou no ano perante o dólar: 15,9%. A segunda na lista é o rand sulafricano, com depreciação de 11,5% desde o início de 2020.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/03/06/google-lanca-pagina-para-tirar-duvidas-sobre-coronavirus/

“É um câmbio que flutua. Se fizer muita besteira pode ir para esse nível. Se fizer muita coisa certa, ele pode descer”, completou. E ele tem razão. O Banco Central (BC) tem tentado controlar a volatilidade do dólar ao injetar, por meio de leilões da moeda americana, “verdinhas” no mercado. Com isso, dá tranquilidade aos investidores, mas está longe de barrar a deterioração do real. Por outro lado, intranquilos ficam os investidores sempre que Guedes fala sobre o câmbio. Se o Banco Central já tem pouca influência sobre a cotação, apesar das reservas de 360 bilhões de reais, muito menos tem o ministro. Aliás, vale sempre relembrar a máxima do mercado financeiro que diz que ministro não comenta dólar. Contudo, ele insiste em comentar o assunto espinhoso. Guedes repetiu que o país mudou seu modelo econômico e usou agora uma nova metáfora: “Agora o modelo é (um carro) 4×4, tração nas quatro rodas. Juro caiu de 15% para 4%. Câmbio que era 1,80 reais subiu para 4 reais”, afirmou.

Continua após a publicidade

Perguntado se a alta do dólar para os níveis atuais preocupa, Guedes respondeu: “Quando sobe rápido preocupa, por isso o BC atua”, lembrando ainda que as reformas econômicas ainda não foram integralmente implementadas.

Em novembro, VEJA vaticinou o novo cenário e explicou as intenções do governo ao manter o dólar valorizado. O plano de Guedes é usufruir do dólar mais caro e da Selic mais baixa por um período longo. Isso deveria estimular investimentos em infraestrutura e dar fôlego às indústrias exportadoras. Com esse arranjo, o governo espera que os especuladores internacionais, que hoje operam no mercado, deem lugar a investidores interessados em aplicar recursos em infraestrutura, produção de bens e no setor de serviços. Porém, isso ainda não tem acontecido — em boa medida devido à desconfiança dos investidores internacionais na condução do governo.

Sorte que está na gaveta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o projeto que concede autonomia ao Banco Central. A proposta que fixa mandatos temporais e descola a instituição do Palácio do Planalto promete arrefecer a ingerência de membros do governo na flutuação do câmbio. Com maior liberdade, a instituição comandada por Roberto Campos Neto pode adotar as políticas necessárias para que o país seja um ambiente fértil para investimentos e possibilite o crescimento robusto — um solo seguro contra as intempéries causadas pela má comunicação do governo.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: MSN

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra