fbpx
O maior canal de informação do setor

Dólar opera em alta após elevação da taxa de juros

215

O dólar opera em alta nesta quinta-feira (3), após o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidir elevar a taxa Selic de 9,25% ao ano para 10,75% ao ano, dentro do esperado pelo mercado.

Às 9h27, a moeda norte-americana subia 0,29%, cotada a R$ 5,2905. Veja mais cotações.

Na quarta-feira, o dólar fechou estável, a R$ 5,2754. Na parcial do mês, tem queda de 0,57% e no ano acumula baixa de 5,37% frente ao real.

Cenário

 

Com a elevação da Selic para 10,25% ao ano, a taxa básica de juros do país voltou ao patamar de dois dígitos pela primeira vez em quatro anos e meio.

De acordo com projeções de analistas do mercado financeiro, a Selic deve voltar a subir em março, para 11,75% ao ano, mas parte dos analistas avaliam que a taxa ainda pode superar o patamar de 12%.

Juros mais altos no Brasil são amplamente vistos como positivos para o real, uma vez que elevam a rentabilidade do mercado de renda fixa doméstico e tendem a ser um ponto a favor do fluxo de capital estrangeiro ao país.

Com a Selic a 10,75%, o Brasil passou a ter maior taxa mundial de juros reais (descontada a inflação) projetada para 12 meses, segundo ranking da Infinity Asset Management.

Vale lembrar, porém, que juros mais altos encarecem o crédito, o que prejudica o crescimento do consumo da população e dos investimentos produtivos. Dessa maneira, impacta negativamente o Produto Interno Bruto (PIB), o emprego e a renda.

Na cena externa, as bolsas globais recuavam nesta quinta após os resultados decepcionantes das empresas líderes do setor de tecnologia e enquanto os operadores aguardam mais pistas sobre o ritmo do aperto monetário nos Estados Unidos.

No Reino Unido, o banco central britânico elevou os juros de 0,25 para 0,5% ao ano nesta quinta-feira, com a instituição alertando que a inflação chegará em breve a mais de 7%.

Com a nova alta da Selic, o Brasil passou a ter a maior taxa mundial de juros reais, isto é, quando se desconta a perda pela inflação, segundo ranking da Infinity Asset Management.

A projeção do mercado para a inflação de 2022 está atualmente em 5,38%. Tal perspectiva aumenta a atratividade do Brasil para o investidor estrangeiro.

Vale lembrar, porém, que juros mais altos encarecem o crédito, afetando o consumo da população e os investimentos produtivos. Dessa maneira, impacta negativamente o Produto Interno Bruto (PIB), o emprego e a renda.

Fonte: G1

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação