fbpx
O maior canal de informação do setor

Dose de reforço da Janssen tem 85% de eficácia contra hospitalização pela Ômicron

132

A aplicação de uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 da Janssen, originalmente adotada como esquema de dose única, reduz os riscos de hospitalização em pacientes infectados pela variante Ômicron do novo coronavírus.

Veja também: Sotrovimabe: conheça o anticorpo monoclonal recomendado pela OMS contra a Covid-19

A informação faz parte dos resultados de um estudo conduzido por pesquisadores da África do Sul, publicado em formato preprint, ainda não revisado por pares.

Siga nosso Instagram

No Brasil, pessoas vacinadas com a Janssen devem receber a dose de reforço, com o mesmo imunizante, entre dois e seis meses após a primeira vacinação.

A orientação é do Ministério da Saúde, com base em estudos científicos que mostram aumento significativo na imunidade após a aplicação de mais uma dose da vacina, principalmente com intervalo mais longo, de seis meses.

Entenda o estudo

Um primeiro estudo, chamado Ensemble 2, demonstrou ganhos significativos para a eficácia da vacina da Janssen, com um regime de duas doses, administradas com dois meses de intervalo.

A partir desse resultado, os pesquisadores expandiram as análises, incluindo a dose de reforço para mais de 227 mil profissionais de saúde da África do Sul, de quase 500 mil que haviam sido vacinados anteriormente com a dose única do imunizante. O reforço foi oferecido de seis a nove meses após a primeira imunização.

A eficácia da dose de reforço da vacina foi estimada a partir da comparação de dados de pouco mais de 69 mil profissionais com informações de indivíduos não vacinados. A eficácia na prevenção de hospitalizações apresentou aumentos ao longo do tempo: de 63% (de 0 a 13 dias), para 84% (de 14 a 27 dias), chegando a 85% (de 1 a 2 meses) após a aplicação.

‘Nós fornecemos a primeira evidência da eficácia de um reforço de vacina homóloga Ad26.COV.2 [nome técnico da vacina da Janssen] administrado 6-9 meses após a série inicial de vacinação única, durante um período de circulação da variante Ômicron. Esses dados são importantes devido à crescente dependência da vacina Ad26.COV.2 na África’, diz o artigo.

Sobre a variante Ômicron

A variante Ômicron do novo coronavírus foi identificada em novembro de 2021 e classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma variante de preocupação. A linhagem já foi detectada em mais de 100 países.

De acordo com a OMS, a compreensão atual da variante continua a evoluir à medida que mais dados se tornam disponíveis. Com o surgimento da Ômicron, houve uma diminuição da prevalência da variante Delta e do nível de circulação das cepas Alfa, Beta e Gama.

A transmissão da variante Ômicron tem ocorrido mesmo entre vacinados e pessoas com histórico de infecção prévia pela Covid-19. Segundo a OMS, há evidências científicas significativas de que a variante está associada a quadros clínicos mais leves da Covid-19 em relação às outras linhagens virais.

Fonte: CNN Brasil

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação