fbpx

É impossível que vacina cause alterações genéticas, dizem especialistas

Não há nenhuma comprovação que vacinas contra a covid-19 possam modificar a composição genética das pessoas,

Conteúdo verificado: Postagem no Instagram que afirma que “pessoas podem sofrer mutações após serem vacinadas” e que as vacinas são consideradas “organismos geneticamente modificados”.Não há nenhuma comprovação que vacinas contra a

covid-19possam modificar a composição genética das pessoas. Um vídeo publicado no Instagram e no YouTube afirma que “muitas vacinas são derivadas de células fetais” e que “o DNA do feto entra no corpo do receptor”, causando alterações genéticas. Essas alegações são completamente rechaçadas por especialistas ouvidos pelo Comprova em diferentes ocasiões e pela evidência científica disponível até o momento.

Dois dos imunizantes contra o novo coronavírus — produzidos por Pfizer/BioNTech e Moderna — utilizam uma técnica nova, chamada de mRNA, que usa informação genética do vírus para ensinar nosso corpo a produzir uma proteína específica e criar anticorpos. Nenhuma vacina contém DNA de fetos.

Leia TambémVeja todas as checagens sobre coronavírus publicadas pelo Estadão VerificaAlguns imunizantes usam culturas celulares para produzir um vírus atenuado, incapaz de causar doenças — vacinas contra febre amarela e sarampo usam essa técnica. Essas células podem ser cultivadas a partir de animais ou de material embrionário. Mas, como o Comprova

, as células embrionárias não entram na composição da vacina e são desenvolvidas a partir de uma linhagem celular antiga.Como verificamos?Consultamos o pediatra, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM) Renato Kfouri sobre as alegações ditas no vídeo analisado. Também utilizamos outras verificações anteriores publicadas pelo Comprova sobre o mesmo assunto. Acessamos documentos oficiais da Food and Drug Administration (FDA) sobre possíveis riscos da vacina produzida pela Pfizer/BioNTech. Pesquisamos estudos sobre associação entre narcolepsia e a vacinação contra H1N1 na Suécia e na Finlândia. Os links das fontes consultadas estão ao longo do texto.

O vídeo foi publicado no perfil de Karina Michelin no Instagram e também em seu canal de YouTube. O Comprova entrou em contato com Karina por e-mail, mas não recebeu resposta.O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 15 de dezembro de 2020.

VerificaçãoVacinas podem modificar nossa composição genética?Não há nenhuma possibilidade de que as vacinas contra covid-19 possam alterar nosso código genético — como já mostraram várias verificações

publicadas pelo Comprova. O diretor da SBIm Renato Kfouri confirma que a incorporação de um DNA estranho por meio de um imunizante é impossível. “Imagina, se fosse possível incorporar o DNA, seria uma guerra biológica”, diz ele. “Isso é uma bobagem enorme.”

Duas das vacinas contra o novo coronavírus utilizam uma técnica nova, de mRNA (RNA mensageiro) — a da Pfizer/BioNTech e a da Moderna. O RNA mensageiro é uma molécula que todos temos no corpo. Ela leva informações até o núcleo das nossas células para produção de proteínas. Os laboratórios responsáveis pelos imunizantes produziram

mRNAs sintéticos,que contêm uma parte da informação genética do novo coronavírus. No nosso corpo, esse RNA vai fazer com que produzamos uma proteína que alerta o sistema imunológico para criar anticorpos.“Por isso que essas vacinas são de rápida produção, não têm vírus vivo, não têm material vivo”, explica Kfouri. “Todo esse material genético se degrada muito rapidamente. Não há nenhuma incorporação, nenhuma possibilidade de esse material genético ser incorporado

[pelo nosso corpo]Em agosto,Cristina Bonorino, professora titular da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e membro do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), explicou que as vacinas mRNA são desenvolvidas de modo a não interferir com o DNA humano.

“No caso das vacinas de mRNA, tudo é transparente, tudo é publicado”, disse ela. “Os dados estão aí para serem analisados. E um cara que faz uma alegação dessas basicamente não leu a literatura. É muito importante explicar para as pessoas que isso é impossível.”

Noinício deste mês,o virologista da Universidade Federal de Minas Gerais e do Centro de Tecnologia em Vacinas da UFMG Flávio Fonseca disse que “não existe nenhuma vacina capaz de alterar o nosso material genético, nosso DNA”.Ele acrescentou que, apesar de estarmos constantemente expostos a material genético estranho (como vírus e bactérias), nosso DNA fica muito bem protegido dentro das células: “Ele fica dentro do núcleo, não fica exposto no citoplasma. E dentro do núcleo há uma série de enzimas que fazem, entre aspas, o patrulhamento da qualidade do nosso DNA para evitar exatamente que aconteçam mutações indesejadas”.

Vacinas são derivadas de células fetais?No vídeo, Karina afirma que “muitas vacinas são derivadas de células fetais para as quais o DNA do feto entra no corpo do receptor”. Isso é falso. Como explicado anteriormente, os imunizantes usados atualmente contra a covid-19 usam a técnica de RNA mensageiro — e não DNA.

Renato Kfouri explica que não há DNA de fetos nas vacinas. Alguns imunizantes usam o vírus atenuado ou inativado. Nesse caso, o laboratório usa culturas celulares, que são infectadas repetidamente até que a virulência seja reduzida. As células usadas nesse processo podem ter origem animal ou embrionária. Muitas vacinas amplamente utilizadas foram desenvolvidas por meio dessa metodologia: contra sarampo, rubéola e febre amarela.

Em julho, o Comprova mostrou que a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford não usa células de fetos.Na realidade, as células foram retiradas de um feto abortado legalmente na Holanda nos anos de 1970 e desenvolvidas em laboratório a partir da imortalização — ou seja, a capacidade perene de divisão. Elas deram origem à linhagem de células HEK-293 (a sigla vem do inglês “human embryonic kidney”, ou seja, rim de embrião humano), que desde então é usada na indústria farmacêutica em todo o mundo.

A tecnologia utilizada no imunizante de Oxford é de “vetor viral recombinante”, diferente da de vírus atenuado.A narradora do vídeo cita como fonte o Instituto Charlotte Lozier. Trata-se de uma insituição conservadora cujo

. FDA admitiu ‘riscos oncogênicos’ da vacina?A narradora do vídeo também afirma que a Food and Drug Administration (FDA), agência equivalente à Anvisa nos EUA, alertou para “riscos oncogênicos”, relacionados a câncer, das vacinas contra covid-19. Até o momento, o órgão sanitário

Fonte: Head Topics

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra