O maior canal de informação do setor

Efeito pandemia: baixo consumo derruba preços de serviços mesmo com escalada da inflação

256

Enquanto os brasileiros veem disparar, cada vez mais, os preços de itens básicos de consumo, alguns serviços diretamente impactados pela pandemia andam na contramão da inflação. Diante da baixa demanda, eles registram deflação no ano, ainda que pressionados pela gasolina, vilã da mais recente alta generalizada de preços no país.

Veja também: Nova versão de PEC prevê desconto de 40% para pagamento de precatórios diferidos

Ao todo, dez serviços registraram deflação no acumulado entre e janeiro e agosto deste ano (veja no gráfico abaixo), apontam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial da inflação no Brasil.

Siga nosso Instagram

Vale destacar que o IPCA acumulado no ano até agosto ficou em 5,67%, taxa mais alta para os oito primeiros meses do ano desde 2015, quando ficou em 7,06%.

O setor de serviços é o de maior peso na economia brasileira. Ele foi o mais atingido pela pandemia e, por isso, é o que apresenta recuperação mais lenta e desigual. Até julho, das cinco grandes atividades que compõe o setor, apenas a de serviços prestados às famílias não havia recuperado as perdas provocadas pela crise sanitária, operando 23,2% abaixo do patamar de fevereiro de 2020. Fazem parte desta atividade os dez serviços que apresentam taxas negativas no IPCA em 2021.

A deflação mais expressiva entre os serviços foi a das passagens aéreas, cujos preços médios acumulam queda de 33,81% no ano, seguida pela de transportes por aplicativos, com recuo de 14,33%.

Segundo o coordenador de Índice de Preços ao Consumidor da FGV-Ibre, André Braz, ‘a pandemia ajuda a entender por que estes serviços tiveram queda de preços no acumulado do ano’.

Braz ponderou que, embora estes dois serviços tenham registrado deflação no ano, ambos têm taxas positivas no acumulado em 12 meses – as passagens aéreas tiveram alta de 30,15% e o transporte por aplicativo de 6,06%. Isso significa que os preços médios dos dois serviços estão mais caros quando comparados a agosto do ano passado, porém mais baixos que em dezembro.

O mesmo efeito de demanda decorrente da pandemia foi apontado pelo especialista da FGV como explicação possível para a deflação nos serviços de ônibus interestadual, seguro voluntário de veículo, ensino superior, educação de jovens e adultos, transporte escolar e pacotes turísticos.

Deflação além dos serviços

Dos 377 produtos e serviços que compõem o IPCA, 59 registraram taxas negativas no acumulado entre janeiro e agosto. Destes, a grande maioria (35) são alimentos, 14 são produtos não alimentícios e 10 são serviços.

Segundo o analista de preços do Sistema Nacional de Índice de Preços ao Consumidor do IBGE, André Almeida, não é possível apontar, de forma generalizada, o que provocou a deflação destes itens da cesta de consumo investigada para o cálculo do indicador.

Sobre os alimentos, Almeida apontou que, para aqueles in natura, há influências do clima que afetam a produção, assim como da sazonalidade de safra de cada produto.

Almeida enfatizou, ainda, a importância de observar, além do indicador acumulado no ano, também o acumulado em 12 meses para melhor avaliar as influências sobre a variação de preços de determinado produto.

“No caso da batata, por exemplo, a oferta no mercado estava mais alta no início do ano, o que fez com que os preços tivessem queda [-27,94% no acumulado do ano]. Já no acumulado dos últimos 12 meses, ela tem alta [9,90%], porque a safra tinha sido menor no ano passado”, explicou.

O mesmo acontece com o arroz, que acumula queda de 10,11% no ano, mas registra alta de 32,68% em 12 meses.

Meta de inflação e perspectivas

A meta central do governo para a inflação em 2021 é de 3,75%, e o intervalo de tolerância varia de 2,25% a 5,25%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

As estimativas do mercado financeiro já estão longe das metas do BC: na última pesquisa Focus, que reúne as projeções dos analistas, a inflação esperada para este ano já chegava a 8,35%.

Para 2022, a inflação também dá mostras de estar fora do esperado: o mercado financeiro elevou sua estimativa de 4,03% para 4,10% . No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,5% e será oficialmente cumprida se oscilar de 2% a 5%.

Fonte: G1.Globo

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação