fbpx
O maior canal de informação do setor

Empresas e governos seguem com cerco ao coronavírus

391

São Paulo Entre o pânico de segunda-feira, e a recuperação de ontem, que sentimento predominará entre os investidores nesta quarta-feira? Fato é que a epidemia de coronavírus segue avançando, enquanto os cálculos de impacto na economia global estão totalmente em aberto.

O número de vítimas fatais chegou a 130 na China, enquanto os casos suspeitos seguem se espalhando pelo mundo. Até a manhã desta quarta-feira são 132 mortes confirmadas, 125 delas na província de Hubei, epicentro da propagação. Já são mais de 6 mil casos confirmados, em 17 países.

No Brasil, há três suspeitos, segundo o Ministério da Saúde, em Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. O governo, seguindo recomendação da Organização Mundial de Saúde, recomendou que viagens para a China sejam feitas apenas em casos de extrema necessidade.

Para conter a propagação do vírus, governos e empresas privadas vêm tomando medidas mais duras nas últimas horas. Dez cidades chinesas estão isoladas. A rede de cafeterias Starbucks, um fenômeno na China, fechou metade de suas duas mil lojas no país. A Casa Branca anunciou que pode suspender todos os voos dos Estados Unidos para a China em meio às preocupações crescentes.

Veja também

As bolsas globais perderam mais de 1,5 trilhão de dólares até segunda-feira, mas se recuperaram parcialmente ontem, dia de correção nos preços. O índice Ibovespa subiu 1,74%, depois de cair mais de 3% na véspera.

Na Europa e nos Estados Unidos os principais índices também subiram acima de 1%. Como as bolsas estão nas máximas históricas, os investidores estão aproveitando o coronavírus para realizar lucro, diz Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset. Nesta quarta-feira a bolsa de Hong Kong voltou a cair forte (-2,82%), embora o índice do medo, o Vix, tenha voltado para a casa dos 15 pontos, sinal de um recuo na volatilidade prevista.

Analistas internacionais afirma que o presidente chinês Xi Jinping vive seu maior desafio político na gestão da crise. Segundo Sérgio Praça, cientista político da FGV e colunista de EXAME, a ditadura chinesa poderá controlar as informações aos cidadãos, mas sem correr o risco de perder reputação internacional. Shang-Jin Wei, professor de economia na universidade americana Columbia, afirma que o alerta econômico global é compreensivo, mas segundo ele ainda é cedo para pânico.

Segundo seus cálculos, a economia chinesa deve encolher apenas 0,1% pelo coronavírus, uma vez que os problemas econômicos deste início de ano tendem a ser compensados com um impulso extra nos próximos trimestres. Mas alguns analistas calculam que o PIB do país pode encolher até 2 pontos percentuais ou seja, uma incerteza total sobre o impacto econômico da epidemia.

Outro ponto de atenção nas mesas de negociação desta quarta-feira é o anúncio da nova taxa de juros dos Estados Unidos. A expectativa é que o Fed, o banco central do país, mantenha a taxa no patamar de 1,5% a 1,75%, mas as atenções se voltarão em possíveis indicações de novos cortes com as crescentes incertezas da economia global.

Fonte: Exame

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/01/29/queremos-sair-do-perigo-antes-que-seja-tarde-desabafa-doutoranda-brasileira-em-wuhan/

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação